A Secretaria de Saúde de Caldas Novas, no sul de Goiás, confirmou  que a morte da gestante, de 19 anos, foi causada por complicações ligadas a infecção pela gripe A/H1N1. A paciente morava na cidade, mas havia sido transferida e foi a óbito no Hospital Materno Infantil (HMI), em Goiânia.

A gestante estava no 7º mês de gravidez. Ela começou a passar mal no dia 22 de março e procurou o Pronto Atendimento Infantil (PAI) de Caldas Novas com febre, dor no corpo e tosse. Ela foi liberada, mas voltou a se sentir mal e retornou à unidade cinco dias depois. Novamente, ela foi medicada e teve alta, mas retornou no dia seguinte e ficou em observação.

No entanto, ela voltou a ser liberada no dia 29, mas retornou com quadro mais grave e foi transferida ao HMI, mas não resistiu e morreu no mesmo dia.

Casos de H1N1
Duas mortes já foram confirmadas no estado por H1N1. A primeira é de uma adolescente de 17 anos que morava em Rio Verde, no sudoeste de Goiás. Já a segunda foi de um idoso de 72 anos, que estava internado em um hospital particular de Goiânia.

A vacinação contra a doença para as pessoas dos grupos prioritários, que são as crianças com idade entre seis meses e cinco anos, gestantes, idosos e pessoas portadoras de doenças crônicas e outras doenças que comprometam a imunidade, será realizada agora neste mês de abril.

A previsão é de que a campanha seja iniciada no próximo dia 30 de abril, de acordo com o Ministério da Saúde, que é quem repassa essas vacinas.