Não teve lesão ou alto nível da concorrência que impedisse mais um bom resultado do atleta mineiro Talles Mineiro no Mundial de Duathlon, que aconteceu no último final de semana.

Na competição disputada na cidade espanhola de Avilés, o representante de João Monlevade ficou em segundo lugar na sua categoria, entre 35 e 39 anos. Foram 5km de corrida, 20km de ciclismo e mais 2,5 de corrida.

“A prova foi muito dura. O ritmo da primeira corrida foi, desde o início, muito forte. Tomei decisões corretas e eu estava num bom dia. Na segunda corrida eu saí na frente e ali soube que estava na briga pelo pódio. Isso me fez manter o foco e não deixar o ritmo cair. Foi o momento em que a vontade superou o cansaço”, comenta Talles.

Como a prova aconteceu na Europa, continente onde os atletas da modalidade são os mais fortes do mundo, a concorrência foi mais pesada do que do seu último resultado, o vice no Mundial de 2015, na Austrália.

“Então eu não tinha outra meta que não fosse repetir um lugar no pódio. E como o Mundial foi realizado na Europa, eu sabia que haveria uma concorrência ainda maior que no ano anterior. Os europeus são muito fortes no Duathlon”, relata o mineiro.

Mudança de planos. A lesão sentida nas semanas que antecederam a competição o fez alterar o planejamento. “Eu tenho uma “canelite”, lesão por esforço muito comum entre corredores, que se manifestou cerca de oito semanas antes do Mundial. Ela comprometeu meus treinos para o Campeonato brasileiro, há um mês. Mas nestas últimas cinco semanas que antecederam o Mundial, eu fiz um treinamento que não me sacrificasse tanto na corrida e poupasse a perna. Mas mantendo, até melhorando, meu condicionamento geral para esta prova. Foi um planejamento complicado”, admite.

No final, tudo deu certo para Talles, que considera o Mundial como seu principal objetivo da temporada. “Sempre planejo atingir meu pico de performance para estar apto a disputar uma medalha no pódio. Como eu vinha de um Campeonato Brasileiro ruim, eu estava mentalmente abalado e precisei recuperar a confiança para render o melhor”, lembra.