“O feijão está pela hora da morte mesmo!”. O desabafo é da professora Dione Alcântara, que foi ao supermercado ontem e não viu alternativa: levou bem menos para casa. Não dá para substituir. O preço do produto disparou em todo o país. O valor subiu tanto que 1 kg de feijão está até mais caro do que um pacote de 5 kg de arroz. A reportagem verificou o fenômeno em vários supermercados. Em um deles, por exemplo, tinha pacote de 1 kg de feijão por R$ 12,48, enquanto 5 kg de arroz custavam R$ 11,98 na mesma gôndola. 

Em maio, enquanto a inflação oficial do país avançou 0,78%, o feijão mulatinho subiu 9,85% e o carioca, 7,61% no mês passado. Em 2016, a taxa de inflação já acumula 4,05% e o mulatinho já ficou 37,44% mais caro, e o carioca disparou 33,49%. Quando a comparação é feita nos últimos 12 meses, a elevação assusta ainda mais: 48,78% e 41,62%, respectivamente. Já o IPCA avançou 9,32% no mesmo período, de acordo com dados divulgados pelo IBGE.

O feijão virou agora a brincadeira nas redes sociais. O tão querido produto brasileiro transformou-se em memes. Um, por exemplo, faz alusão ao transporte do produto até por carro-forte e outro, mostra até o feijão como uma joia.

A explicação do preço alto é o clima, segundo Caio Coimbra, analista de agronegócios da Federação da Agricultura de Minas Gerais (Faemg). No Paraná, maior produtor do país, as lavouras foram muito afetadas pela chuva e agora, o frio. “Oferta menor é sinal de preço em elevação”, aponta. Segundo ele, na passagem de abril para maio houve uma redução de cerca de 20% da produção naquele Estado. Minas, que é o segundo produtor, também sofreu com a chuva. O especialista explicou também que o preço subiu por causa dos custos de produção: energia, insumos e mão de obra ficaram mais caros.