Nesta quarta-feira (8), a Polícia Civil de Minas Gerais indiciou o vereador Márcio Nobre (PDT), pelo crime de falsificação de documento particular (artigo 298 do Código Penal) durante a realização do 8º Casamento Comunitário de Uberlândia, em outubro de 2013.

De acordo com a Assessoria de Comunicação da Polícia Civil de Belo Horizonte, o indiciamento foi remetido ao Fórum de Justiça em Uberlândia, mas ainda não foi distribuído à Vara Criminal que deverá julgar o caso.

O inquérito policial transcorre desde o mês de março de 2016, sob-responsabilidade da delegada Daniela Santana. Na ocasião, a investigação foi aberta a pedido do Ministério Público Estadual (MPE) após denúncias realizadas à Promotoria de que, Nobre, teria adulterado documentos fiscais do casamento comunitário, que foi custeado com subvenções públicas dadas a uma ONG local. Um ato que, conforme as denúncias teriam sido cometidas para esconder superfaturamento nos gastos do evento.

A Promotoria já foi notificada da finalização dos trabalhos policiais. O crime de falsificação pode resultar em uma pena de um a cinco anos de prisão, mais multa.  O vereador recebeu a imprensa na manhã de hoje (09), na Câmara Municipal de Uberlândia, onde informou não ter recebido nenhuma notificação ou ter acesso às peças do processo.