A atriz veterana Íris Bruzzi, 81 anos, foi demitida pela Record em 2014, e contou, em entrevista recente, que foi uma situação bastante difícil. “Foi um baque enorme. Me avisaram dois dias antes de o contrato vencer.

Tinha minha vida, minhas contas para pagar. Tive que entregar meu apartamento, vender minhas coisas e vir morar com meu filho nos Estados Unidos.

Eu chorava, me senti muito humilhada”, revelou.
Agora, ela está processando a emissora, cobrando direitos trabalhistas, como 13º salário e férias.

Diante disso, ela poderá ser indenizada em cerca de R$ 1,5 milhão. A Record tentou anular a ação, mas teve o seu pedido recusado, e foi condenada a fazer anotações na carteira de trabalho da atriz e pagar obrigações trabalhistas.

Agora, o caso irá agora para o Tribunal Regional do Trabalho do Rio.
Íris foi contratada em setembro de 2006, após fazer sucesso na Globo como a ex-vedete Guida Guevara na novela “Belíssima” (2005).

Ao longo desses anos, ela trabalhou em seis novelas, mas não trabalhava como funcionária da empresa. Ela afirma em ação judicial que foi obrigada pela Record a abrir uma empresa e a assinar contrato como pessoa jurídica, recebendo 40% a menos quando estava fora do ar.

Após tanto tempo de trabalho, e pela idade, ela não esperava ser dispensada. “Eles não têm critério para demitir.

Eu suei a camisa. Nesses oito anos de contrato, a gente acreditou que a Record tinha um projeto de televisão.

Fui ingênua”, lamenta ela, que era acostumada a receber salários fixos, embora menores nas temporadas de “descanso de imagem”. Porém, ela acumulou muitas dívidas.

“Foi uma bola de neve. Mas agora já está tudo bem”, comenta ela, que hoje mora em Tampa, na Flórida, e retorna ao Brasil em julho, esperando convites para voltar a atuar.

Em sua ação contra a Record, Cecil Thiré e Taumaturgo Ferreira testemunharão a seu favor. Thiré processa o canal pelos mesmos motivos, e já ganhou em segunda instância, no processo que está mais avançado.

As informações são de Daniel Castro.

.

Fonte: TV Foco