Reprodução/Vice O combate à poliomielite é um temas da quarta temporada da “Vice” Conhecido por seu estilo irreverente, o grupo de mídia “Vice” já tem, há quatro temporadas, uma série documental homônima na HBO. E em uma época na qual o jornalismo televisivo tem se transformado e a informalidade se estabeleceu até no “Jornal Nacional”, é justamente na falta de burocracia que tanto a revista que deu origem ao grupo quanto o programa têm seu principal trunfo – pelo menos na opinião de um dos fundadores da empresa, Suroosh Alvi. “Nós sempre abordamos as coisas de um jeito diferente, talvez porque não cursamos a faculdade de jornalismo – então não sabíamos que havia toda essas regras às quais devíamos obedecer”, disse o jornalista em entrevista ao UOL, via teleconferência.

“Nós queremos chegar tão perto da fonte quanto possível, e queremos que o conteúdo seja tão real e cru quanto possível. Acho que há muita honestidade lá e isso se conecta com o nosso público, por isso que dá certo”.

A estratégia tem funcionado principalmente entre o público mais jovem, que se identifica mais com o jornalismo “descolado” praticado pelo grupo, na avaliação de Alvi. “Por um bom tempo, a faixa mais jovem, de 18 a 34 anos, pelo menos aqui [EUA], não estava confiando nas companhias de mídia maiores e mais antigas.

Não é que eles não se importassem com as notícias, eles não as recebiam de uma forma com a qual pudessem se relacionar, se identificar. Quando você recebe as notícias de uma pessoa parecida com você, é mais fácil se identificar”.

.

Fonte: Uol Televisão