Deborah Secco que se prepara para retomar o trabalho na TV como Tânia de “Malhação — Pro dia nascer feliz”, que estreia dia 22, falou ao jornal Extra sobre o novo momento de sua vida. Casada com Hugo Moura de 25 anos e mãe da pequena Maria Flor, Deborah não esconde de ninguém que está plenamente feliz.
“Quando era criança, desejava ser atriz da novela das oito.

Depois, queria fazer um filme que todo mundo visse. Fiz o ‘Bruna Surfistinha’! Estava faltando essa parte da família.

O Brasil me acompanhou nessa luta para ser feliz. Sonhava ter uma filha, um companheiro… Agora, já conquistei todos os meus sonhos.


Diferentemente de outros artistas que fazem questão de esconder os filhos dos holofotes, Deborah sempre expôs a pequena Maria Flor para a imprensa, quanto a isso ela explica:
“Não fiz a menor questão de esconder a minha filha. Quando você faz isso, a procura é maior.

Quis mostrá-la logo para ninguém ficar correndo atrás dela. Prefiro ter o rosto da Maria Flor exposto do que ter alguém perturbando nosso dia a dia.

Minha ideia é desgastar a imagem da Maria a ponto de ninguém querer mais publicar.”
Sobre a fama e a falta de privacidade, Secco admite que gostaria de ter uma vida mais privada, mas que acredita que agora isso não será mais possível:
“Eu sou atriz, mas trabalho como celebridade também.

Se pudesse voltar no tempo, acho que não teria optado em ter uma vida tão pública. Mas agora não tem jeito.

Se voltar atrás, vou ser tipo Ana Paula Arósio. A menina famosa que desistiu da carreira, mas que, se for à praia, todo mundo vai tirar foto.

Então, faço o jogo do contente. O que isso me traz de bom? Tenho pessoas queridas, gente que torce por mim e ainda ganho um dinheirinho”.

Sobre sua família, a estrela global admite que é sua principal motivação: “Tive medo, não pelo sonho de ser mãe, porque, se não tivesse filho, adotaria. Mas temia não realizar o sonho da família.

Queria dividir essa história com um cara legal. Maria Flor cresce rodeada de amor.

Hoje, eu quero voltar logo para a casa, porque sei que lá tem duas pessoas que precisam de mim, e eu deles. Nenhum de nós três fica em pé sem o outro.


i1

.

Fonte: TV Foco