Walther Negrão, autor de “Sol Nascente”, da Globo, contou, em entrevista ao jornal “Folha de S. Paulo”, que procurou, mas não encontrou nenhum ator oriental “com a capacidade e o peso” de Luís Melo para Kazuo Tanaka, um dos protagonistas do folhetim.
“Era um personagem muito importante para colocar com um principiante ou alguém que não tenha a tarimba.

Não tinha ator”, disse.
Filho de uma japonesa e um oficial americano, Tanaka emigrou para o Brasil na juventude.

A trama, diz o novelista, foi inspirada na ópera “Madame Butterfly”.
A escalação de Melo incomodou atores de ascendência japonesa.

Coletivos como o Oriente-se têm acusado a Globo de racismo e promovido campanhas de boicote a “Sol Nascente”.
Negrão comenta que não há motivo para chateação.

“Eles estão na novela. Ninguém está tirando o papel de ninguém”, emenda a preparadora de elenco Frida Richter.

A equipe afirma que os olhos de Melo não foram esticados artificialmente para o personagem.

.

Fonte: TV Foco