O piloto Osmar Frattini, que viveu dias de medo por conta do acidente aéreo envolvendo Luciano Huck, Angélica e sua família no Mato Grosso do Sul, contou, em entrevista ao jornal “O Dia”, que tem recebido ajuda do apresentador global.
Em uma polêmica conversa com o programa ‘Domingo Show’, comandado por Geraldo Luís, o piloto contou que teve poucos contatos com a família após o acontecimento. Na época, a assessoria do artista não quis se pronunciar sobre a entrevista.

+Geraldo Luís critica Huck por não ajudar piloto que o salvou em acidente
Osmar quebrou o silêncio e disse que há cerca de 15 dias, o apresentador da TV Globo procurou ele, o piloto José Flavio Zanatto e as babás Marcileia Eunice Garcia e Francisca Clarice Canelo Mesquita para acertar um valor, como forma de gratidão ao susto em que eles viveram.

“A gente tem se falado, só que a gente se mantém no anonimato, né? Aquela entrevista que eu dei, eu fiz na verdade iludido pela Record, né? Desde o começo, quando aconteceu o acidente, eu liguei para o Luciano e falei que estava sofrendo um monte de assédio! O pessoal do SBT queria quitar a faculdade da minha filha! Me senti muito mal com isso porque a gente passou por um trauma violento! Quando acontece um acidente, você passa um período e, depois de três meses mais ou menos, volta a voar sem problema nenhum.

Acontece que comigo não foi desse jeito. As dificuldades vieram, só que eu jamais vou pedir dinheiro para o Luciano porque ele é tão vítima quanto eu.

O que aconteceu? A Record todo mês me procurava. Até falei para ele que não ia dar entrevista para televisão.

Mas passaram nove, dez meses, e a situação estava difícil, sem emprego. A Record ligava dizendo que, depois da entrevista, ia aparecer emprego para mim.

E realmente o que eu quero é trabalho. Aí, resolvi dar aquela entrevista e no final da conversa aquele imbecil quis falar mal do Luciano”, explicou ele.

“O Geraldo Luís, que falou umas besteiras lá, né? Eu já tinha contado para o Luciano. A gente se fala todo mês.

Ele tem me ajudado e me ajudou! Não tenho do que reclamar da parte dele. Não estou abandonado de forma nenhuma! Ele é uma pessoa superbacana, mas o que eu preciso é emprego.

Claro que as minhas dívidas estão aí… Eu realmente tenho mais de uma centena de dívidas para pagar porque você suspende o pagamento do cartão de crédito e os juros são muito altos! Mesmo parcelando, você não consegue honrar. É o que está acontecendo comigo.

Por mais que o Luciano tenha me ajudado, eu preciso de emprego para poder sanar a situação, entendeu? E o emprego não sai enquanto a minha vida não liberar de vez. A empresa em que eu trabalho foi fechada pela ANAC.

Eu me vejo 100% inocente. Minha intenção foi salvar todo mundo sempre”, completou.

Ainda na conversa, Osmar revelou que já está apto pela ANAC (Agência Nacional de Aviação Civil) para voar. “Eu posso voar! Não mais naquela empresa porque ela fechou.

Estou recebendo o piso salarial (cerca de R$ 2,5 mil) com muito custo. Mesmo fechada, a empresa tem me pagado.

Agora, no mês que vem, eu já não sei mais. Ele (Luciano) tem me ajudado financeiramente, sim.

E bastante! Eu não vou ficar dizendo a quantia de forma nenhuma. É uma situação que a gente combinou, e eu não posso te dizer valor porque é muito chato quando vai para a mídia.

Se o cara hoje pegar e me der R$ 10 milhões, eles vão falar que é pouco. Se me der R$ 1 milhão, vão falar é pouco… O cara é vítima! Ele tem um coração bom porque, na verdade, não tem obrigação de me ajudar.

E eu estou aceitando porque estou precisando mesmo, isso é uma verdade. Conheço o Luciano há mais de dois anos! Ele voou comigo antes do acidente.

Não tenho o que reclamar dele”, afirmou.

.

Fonte: TV Foco