(Foto: Reprodução)A Câmara dos Deputados aprovou no último dia 17 o encaminhamento do processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff para o Senado Federal. Este decidirá no dia 11 se abre ou não o julgamento contra a presidente que, se aprovado, será presidido por Ricardo Lewandowski, ministro do STF.
Pouca gente sabe mais a cobertura que vem sendo feita pelo “Jornal Nacional”, principal noticiário do país, é bastante semelhante a que foi feita no passado, em 1992, quando a mesma Câmara aprovou o impeachment do então presidente Fernando Collor de Melo.

As semelhanças são muitas. Na edição de 29 de setembro, por exemplo, foi destacada a articulação política do vice Itamar Franco, que assumiria a presidência nos próximos dias.

O nome dos futuros ministros de Itamar eram lidos, direto do Senado, pelo repórter Alexandre Garcia.
Destaque para os comerciais que eram exibidos na época.

Esses sim eram bastante diferentes dos atuais.
A transmissão ao vivo da Globo mostrando a votação na Câmara não foi diferente.

Assim como no impeachment de Dilma, os deputados dedicavam seus votos à família e a suas localidades:

.

Fonte: TV Foco