Talvez você não conheça, mas o Grande Otelo foi um famoso
artista brasileiro, que se destacou na televisão e no cinema nas décadas de
1950 e 1960, em obras como a versão cinematográfica de Macunaíma e “Escolinha
do Professor Raimundo”. Aí você pergunta: o que isso tem a ver com futebol? A gente explica. O
Atlético-MG apresentou, nesta sexta-feira, o venezuelano Rómulo Otero.

E, diferente do seu quase xará, que se destacava
pela veia cômica, o meia mostrou um pouco de timidez. Em pouco tempo de
contato com a imprensa, deu para conhecer um pouco do “Grande Otero”, do Galo.

 Assim como Sebastião Bernardes de Souza Prata, o Grande
Otelo, o “grande” do jogador venezuelano não é por conta do tamanho. O ator
tinha em torno de 1,50m, enquanto a nova contratação do Atlético-MG tem 1,66m.

Agora ele é o mais baixinho do elenco atleticano, seguido por Luan (1,73m), Cazares (1,71m) e Clayton (1,73m). Apesar da baixa estatura, o jogador chega a Belo
Horizonte credenciado por outras características como o drible e a velocidade.

Otero vem para substituir outro baixinho,
Cazares, que teve uma ruptura do adutor da coxa direita e deve desfalcar o
time de Marcelo Oliveira por cerca de três meses.Durante a sua apresentação, olhares atentos para o exército de jornalistas na Cidade do Galo.

Enquanto era apresentado pela diretoria do clube, antes das perguntas direcionadas a ele, cochichou com o assessor de comunicação do Atlético-MG.- Não entendi absolutamente nada.

O idioma ainda é uma barreira, mas o jogador se esforçou
para compreender as perguntas em português dos jornalistas. O primeiro ritual
de passagem passou sem muitos sustos, e o jogador desceu para o gramado
principal da Cidade do Galo para treinar junto com os companheiros.

Dentro de campo, outro ritual. No Atlético-MG é assim, quem
chega por último para treinar, vai para o centro da roda de bobinho.

Otero já
estava lá dentro, foi um dos primeiros a entrar, mas foi chamado por Robinho,
que já tratou de quebrar o gelo para diminuir a timidez do venezuelano. Com
risadas e o clima muito descontraído, Otero já dá mostras que tem tudo para se
entrosar rapidamente com o restante do elenco.

 Falta o vistoO jogador de 23 anos nasceu na cidade de Barcelona, na
Venezuela, e tem uma curiosidade. Como a Venezuela não participa do Mercosul (bloco econômico formado por Brasil, Argentina, Paraguai e Uruguai),
Otero terá que tirar visto de trabalho brasileiro para ter condições legais de atuar pelo Galo.

Para isso, ele terá que voltar na Venezuela, para retornar ao Brasil com o visto
de trabalho. Por enquanto, ainda meio perdido na capital mineira, Otero está
morando sozinho, algo que é novidade para ele.

O venezuelano é de uma família grande, tem oito irmãos. Acostumado
a estar sempre cercado dos familiares, Otero disse que logo vai trazer o pai e mãe para morar com ele, em Belo Horizonte.

O jogador disse que admirava muito o Atlético-MG quando viu as participações
do time mineiro nas últimas edições da Libertadores.
.

Fonte: Globo Esporte