Final única e duração de um ano. Essas são as principais
mudanças estudadas pela Conmebol para as próximas edições da Libertadores. Ao
jornal “El Tiempo”, da Colômbia, o presidente da entidade, Alejandro Domínguez,
anunciou que pretende implementar tais alterações na principal competição de
clubes do continente.

No entanto, não deu detalhes de quando isso entraria em
vigor. Alejandro está em Bogotá para apresentar o troféu especial da Copa
América Centenário, que será disputada em junho, nos Estados Unidos.

 

> Confira a tabela da Libertadores 2016– Gostaria da possibilidade de, em um tempo curto, ter uma
só final e que se possa ir movendo entre os 10 países (filiados à Conmebol).
Teremos maneiras de substituir o valor das bilheterias dos jogos de ida e
volta, porque se trabalharia com uma eleição para que cada país lance uma
cidade como candidata e trate de trabalhar para pagar aos clubes tais valores.

Além disso, as premiações para os clubes serão aumentadas – declarou Alejandro,
ao periódico colombiano.

 

Domínguez, de 44 anos, é paraguaio e está na presidência da
Conmebol desde o fim de janeiro deste ano.

Em seu discurso de posse, o
dirigente reconheceu a grave crise da entidade e prometeu uma gestão com
transparência e reformas. Alejandro também revelou que a Libertadores pode ser
estendida para toda a temporada e ter mais equipes da Concacaf (Confederação
das Américas Central e do Norte) – atualmente somente três mexicanos disputam a
competição.

 

Gostaria da possibilidade de, em um tempo curto, ter uma
só final e que se possa ir movendo entre os 10 países”– Há uma corrente para que (a Libertadores) dure um ano, e
vamos debatê-la. Não é uma ideia da Conmebol, e por isso é bom ter essa
abertura.

Me interessa essa opção. A Libertadores e a Copa Sul-Americana devem
ser estudadas profundamente e também devemos analisar a possibilidade de
nos associarmos à Concacaf, mas é preciso olhar bem os deslocamentos.

 

Domínguez reforçou que a Conmebol contratou uma empresa para
fazer uma auditoria de todos os contratos da entidade e promete maior
arrecadação e transparência nos próximos anos, principalmente para a
Libertadores. Neste ano, a entidade aumentou os valores das premiações para os clubes.

Recentemente, clubes sul-americanos criaram uma Liga independente
na tentativa de garantir acesso aos contratos comerciais da Confederação
Sul-Americana. Ex-presidente do Olimpia, Alejandro Domínguez viu com bons olhos
a união dos clubes.

 

– Venho de um clube e sei como é administrar, por isso
entendo a postura deles. Há que se reconhecer que, historicamente, a Conmebol
teve pouca aproximação e abertura com os clubes, e estamos no momento de nos
aproximar e engrandecer o futebol.

Comigo, os clubes têm portas abertas. São os
verdadeiros protagonistas, junto com os jogadores.

.

Fonte: Globo Esporte