Gol fora de casa na Copa do Brasil é o terror de qualquer treinador que disputa a competição. Com Marcelo Oliveira, técnico do Atlético-MG, não foi diferente. No empate por 1 a 1 com a Ponte Preta, no Mineirão, pela partida de ida das oitavas de final (Veja os lances do jogo no vídeo acima), o time alvinegro saiu atrás no marcador, mas conseguiu buscar o empate no segundo tempo e evitou um resultado muito mais complicado de reverter o jogo de volta.

Ao comentar o jogo no Mineirão, Marcelo Oliveira destacou o poder de reação do time no segundo tempo, quando empatou o jogo e poderia até virar. No entanto, ele lamentou o gol sofrido e a lesão de Rafael Carioca, que machucou o tornozelo e, como já tinha feito as três alterações, acabou ficando com um a menos em campo.

– Em relação ao jogo, é claro que a gente esperava ganhar em
casa. Copa do Brasil é uma competição diferente, com regulamento diferente.

Infelizmente, nós levamos um gol por descuido. O time saiu, e deixamos o jogador
em condições de fazer o gol.

Houve uma reação boa, forçamos muito o jogo. O
time da Ponte Preta é muito bem armado.

Mesmo assim a gente criou algumas
chances, o Carlos teve duas chances. Tivemos uma reação, o Atlético-MG voltou
melhor.

Quando marcamos o gol e erramos mais, tivemos o problema do Rafael.
Esperamos que não seja nada grave para jogar contra o Grêmio e se apresentar a Seleção.

Demos um ou outro contra-ataque, mas muito pouco.LEIA MAIS+ Victor sente lesão, não encara a Ponte e vira dúvida para o jogo de domingo+ Atuações do Galo: Maicosuel entra e muda o time; Robinho é decisivo

Sobre a opção de Otero no time titular e Maicosuel no banco, Marcelo Oliveira esclareceu que o segundo foi poupado, pois o exame de lactato (CK – creatina quinase) deu um índice alto.

Com a escolha do venezuelano, ele e Robinho ficaram responsáveis pelo setor esquerdo.Num jogo de Copa do Brasil, o ideal é que
todos estejam marcando e recompondo sem a bola para que todos possam estar
correndo- Eles (Robinho e Otero) tinham toda a liberdade de trocar no lado esquerdo,
porque o Nino Paraíba passa muito.

Não colocaria o Robinho para correr atrás
dele ou sacrificar um volante lá. Num jogo de Copa do Brasil, o ideal é que
todos estejam marcando e recompondo sem a bola para que todos possam estar
correndo.

Marcelo Oliveira destacou a forte marcação imposta pela Ponte Preta para deixar o ritmo de jogo bastante cadenciado, que, em certo momento, deixou a torcida irritada no Mineirão e o jogo bastante pegado.- Eu tinha a preocupação de jogar duas competições, estar
muito bem no Brasileiro e, inconscientemente, achar que ganharia de qualquer
forma da Ponte Preta.

O jogo moroso se deu em função da marcação forte da Ponte
Preta. Eles marcavam os lados do campo e tivemos muita dificuldade.

Levamos um
gol numa situação de descuido. Só colocaríamos o Maicosuel se fosse necessário,
e foi.

Ainda perdemos um jogador, e jogar um jogo assim é muito sacrificante.Foco volta para o BrasileirãoPassado o empate com a Ponte, agora o Atlético-MG retorna seus pensamentos para o Campeonato Brasileiro, onde no domingo encara o Grêmio, adversário direto na parte de cima da tabela.

Marcelo Oliveira já começa a pensar no Tricolor gaúcho e como vai montar a equipe alvinegra com as baixas do último jogo.- Já começo a pensar na formação do time.

Situação de lesão
acontece com todos os times, porque as equipes brasileiras fazem uma
pré-temporada muito curta, e isso acaba sacrificando. Vamos cuidar disso a
partir de amanhã, de montar um time 
forte e buscar um bom resultado – completou o treinador.

.

Fonte: Globo Esporte