A noite foi argentina no Independência. Foi no embalo de Lucas Pratto
que o Atlético-MG carimbou a classificação às quartas de final da Libertadores.
A vitória sobre o Racing por 2 a 1 fez o argentino do Galo sair do Horto com a sensação de maestro da orquestra atleticana.

 Com um gol dele e de Carlos, contra um de Lisandro López, o time alvinegro sofreu e chegou a se perder em campo, mas viu no centroavante o
termômetro que o time precisava para buscar uma dificílima classificação.Agora o Atlético-MG pega um velho conhecido em
Libertadores.

O São Paulo, de Edgardo Bauza, será o oponente do time alvinegro
na próxima fase, que já começa na próxima semana. Antes, os comandados de
Aguirre têm um compromisso: a final do Mineiro contra o América-MG, domingo, no
Mineirão.

Drama no Horto mais uma vezParecia que seria fácil. Carlos, a grande novidade da
escalação de Aguirre, tratou de colocar o Galo em vantagem, logo aos 15 minutos de
jogo.

Lucas Pratto, o melhor jogador do time na noite, roubou a bola na direita
e cruzou para o atacante tocar de primeira. No entanto, a Libertadores reserva sempre algo mais.

Na noite do Horto veio em
pênalti de Leandro Donizete sobre Lisandro López. O carrasco do Atlético-MG nas
oitavas de final do ano passado voltou a dar o ar da graça no Independência e
deixou tudo igual na cobrança sem chances para Victor.

O jogo era tenso. Com o resultado favorável, o Racing se
fechou e saía nos contragolpes.

Sempre perigosos. E a cera argentina também era
um obstáculo a mais para o time atleticano, que sentia o golpe do empate com
gols em casa.

Robinho, muito apagado e errando passes em demasia, era o
reflexo de quase todo o time do Atlético-MG. Quase.

O Galo tinha em Lucas
Pratto a fagulha que precisava para incendiar o Horto. E ele tentou ao dar
carrinho na defesa, quando todo o time estava desarrumado.

 Tentou quando mandou no ângulo de Ibañez e a bola
caprichosamente bateu no travessão. Mas conseguiu ao encontrar de cabeça a
falta cruzada na área de Rafael Carioca.

Desafogou o torcedor atleticano, que
via uma partida complicada no Horto.E Pratto fez de tudo.

Teve a chance de sacramentar a
classificação no pênalti marcado aos 37 minutos do segundo tempo, mas pela
segunda vez na carreira, e segunda vez consecutiva, desperdiçou. Mas o Racing
não teve a mesma fibra que o Hermano do Galo para buscar o empate
.

Fonte: Globo Esporte