Em meio à lista enorme de desfalques para o jogo contra o Grêmio, nove no total, o Atlético-MG conta com a força de Lucas Pratto no ataque para sair de Porto Alegre com um grande resultado e seguir na cola, ou até passar, o líder Palmeiras. Com 38 pontos, o Galo está a dois pontos do primeiro colocado e pode terminar a rodada sem ninguém à sua frente.No próximo jogo, o Atlético-MG contará com o retorno de Rafael Carioca, mas Victor e Marcos Rocha são desfalques certos.

Além deles, outros seis lesionados (Giovanni, Patric, Erazo, Júnior Urso, Luan, Cazares e Dátolo) ficam de fora, motivo de tristeza para Lucas Pratto. O argentino ressalta a força do plantel nesses casos, mas lamenta a temporada difícil pelo alto número de lesões.

Temos um elenco
muito bom, mas não é bom ter tantas lesões. Ficamos tristes quando um
companheiro fica machucado- Estamos tendo um ano difícil com lesões.

Temos um elenco
muito bom, mas não é bom ter tantas lesões. Ficamos tristes quando um
companheiro fica machucado.

Temos saber que temos que descansar e nos cuidar
para não ter o azar das lesões. Amanhã o técnico vai falar o que pensa do time,
mas vamos com um elenco forte para Porto Alegre.

Ciente da importância do jogo contra o Grêmio, o atacante Lucas Pratto revela que vai ser um jogo brigado e conta como o Atlético-MG precisa jogar para voltar com os três pontos na bagagem.- É um jogo muito importante.

Chave para as aspirações do
time na competição. Com a vitória podemos ser líderes, mas temos que ter
atenção como visitantes.

Pode ser um jogo como o do Palmeiras, que foi fechado,
com muita briga. São jogos difíceis, que é difícil de abrir, por isso temos que
fazer um jogo inteligente.

Centroavante ou segundo atacanteCom o retorno de Fred ao time, Pratto pode ser utilizado também como um segundo atacante, se movimentando mais pelos lados. Sem preferência para a posição, o atacante argentino deixa nas mãos de Marcelo Oliveira a sua escalação e pensa apenas em ajudar o Galo.

– Acho que a obrigação do armador ou do segundo atacante é
buscar a bola. Joguei como segundo atacante algumas vezes.

Os gols para mim são
indiferentes. Até a lesão, tinha uma melhor média que ano passado, mas em uma posição
muito diferente.

Não me preocupa muito neste momento a quantidade de gols que
tenho no ano. Me preocupa melhorar meu nível futebolístico, porque o nível
físico eu já melhorei – completou.

.

Fonte: Globo Esporte