Convocado pela primeira vez para a seleção argentina, o atacante Lucas Pratto, claro, comemorou o chamado do técnico Edgardo Bauza nesta sexta-feira para dois jogos da Argentina nas Eliminatórias. O jogador acreditava que seria a última chance da carreira de vestir a camisa da seleção do seu país, principalmente pela boa relação que tem com o novo treinador do time alviceleste. – Obviamente que foi a única vez que tive grande esperança de ser chamado.

O Patón (Edgardo Bauza) havia me chamado para jogar no São Paulo e, poucas semanas depois, me chamou para a seleção. Se tivesse que ter uma oportunidade, seria agora.

Era agora ou nunca. Havia falado com ele e sabia que ele queria que eu jogasse
com ele nos clubes por onde ele passou – disse Lucas Pratto em entrevista à Rádio Continental, de Buenos Aires.

O Patón (Edgardo Bauza) havia me chamado para jogar no São Paulo e,
poucas semanas depois, me chamou para a seleção. Se tivesse que ter uma
oportunidade, seria agora.

Era agora ou nunca. Havia falado com ele e sabia que ele queria que eu
jogasse
com ele nos clubes por onde ele passou.

Pratto nunca havia sido chamado para a seleção argentina. Segundo o jogador, a negociação com o São Paulo não avançou, porque os valores envolvidos eram muito grandes.

O jogador tem contrato até o fim de 2018 com o Atlético-MG. – Teve uma ligação dele (Bauza) para mim, ele queria me levar para o São Paulo, mas a operação era muito difícil, porque
teriam muitos valores envolvidos e seria complicado ir para lá – disse Lucas Pratto, que explicou o motivo de Bauza querê-lo no clube paulista.

– Na verdade, como o Patón e o São Paulo estavam irregulares na Liga (Campeonato Brasileiro) e o Calleri, que era muito importante para a equipe e saiu. Mas agora, com o (Andrés)
Chavez, eles se acertaram também.

Nós 9Atlético-MG) estamos bem no Brasileiro, estamos jogando bem, estamos em segundo, em um momento muito melhor no campeonato que o São Paulo.Novas chancesLucas Pratto acredita que, com Edgardo Bauza na seleção argentina, ele poderá ter mais chances, já que Patón acompanha o futebol sul-americano, diferentemente de Gerardo Martino, que também já tinha uma base montada.

– Acredito que estávamos acostumados à base que tínhamos, era tão bom o
ataque, que era difícil mudar um pouco. Mas o Patón chegou agora, está acostumado a treinar na
América do Sul, nos conhece mais, vai ver os jogadores que estão atuando, e pode dar chance
a jogadores que não vem sendo convocados.

Será a primeira oportunidade de Lucas Pratto treinar e atuar com Lionel Messi, que retorna à seleção argentina, após anunciar, ao final da Copa América Centenário, em que a Argentina foi vice-campeã, que não iria atuar mais por seu país. – Agora tenho que treinar, fazer parte da convocação já é
espetacular.

Não penso muito em jogar, mas sim mostrar que estou à altura da
seleção, que é a maior do mundo. Compartilhar os treinamentos e o plantel, são
jogadores de qualidade incrível.

Conheço muito as pessoas que estão lá, o Gaitán, o Roncaglia, com quem comecei
no Boca,o  conheço bastante. Há três, quatro jogadores que joguei com eles na minha carreira.

Pratto está na convocação para os jogos contra o Uruguai, dia 1º de setembro, em Buenos Aires, e também diante da Venezuela, cinco dias depois, na cidade venezuelana de Mérida. É provável que ele não atue contra o Vitória, no dia 7, pelo Campeonato Brasileiro, pois não haveria tempo hábil de retornar ao Brasil a tempo.

.

Fonte: Globo Esporte