O fraco desempenho do ataque do Cruzeiro este ano está incomodando a torcida e a diretoria do clube. Os mais incomodados com a situação, porém, são os próprios jogadores. Em 2016, o time fez 26 gols, sendo 18 pelo Campeonato Mineiro, seis pela Primeira Liga e dois no amistoso contra o Rio Branco-ES, na pré-temporada.

Foram 18 jogos no total. A média é baixa.

Apenas 1,44 por partida.O principal nome do ataque cruzeirense é Willian, que tem bons números com a camisa azul, mas ainda não balançou as redes este ano.

O Bigode sofreu duas contusões, o que atrapalhou. Ele lamenta a seca da temporada e mostra otimismo em relação ao futuro.

– Eu fiquei fora a maior parte dos jogos, mas me incluo, me sinto cobrado. Tenho
essa responsabilidade de estar participando mais.

Acho que temos de
arriscar mais, ter mais ousadia de arriscar mais chutes para o gol. A
gente
não conseguiu criar tantas jogadas como queríamos.

Este ano as coisas
não se encaixaram ainda. Mas o importante é que a gente tem trabalhado e
se cobrado.

Tenho certeza que as coisas vão melhorar.LEIA MAIS>> Cruzeiro faz consulta à CBF para poder escalar Robinho na Copa do Brasil>> Cruzeiro na 1ª fase da Copa do Brasil: relembre goleadas e também zebrasDouglas Coutinho fez três gols este ano, sendo um pela Primeira Liga e dois pelo Campeonato Mineiro.

Ele também fala sobre o baixo número de gols no ano e espera que a média melhore já na próxima partida. Dia 5 de maio, às 21h30 (de Brasília), o Cruzeiro enfrenta o Campinense, no Mineirão, pela Copa do Brasil.

– Atacante vive de gols. A gente acaba com a consciência pesada de não
estar fazendo gols.

Para nós atacante é ruim, a gente tem feito
treinamentos de finalização para melhorar a pontaria. Espero que neste
jogo agora
a gente consiga ter boa atuação, independente do atacante que for
escalado.

.

Fonte: Globo Esporte