“Foi sofrível”. Assim o treinador definiu o desempenho do setor ofensivo do Cruzeiro, neste domingo, no Mineirão. A Raposa deixou o triunfo escapar diante do Vitória, ao empatar por 2 a 2, em jogo válido pela 13ª rodada do Campeonato Mineiro (confira como foi no vídeo acima).

Com o adversário com um jogador a menos, o time celeste abriu dois gols de vantagem no placar, com Alisson e Arrascaeta, mas viu a equipe de Salvador chegar à igualdade com Diego Renan e Vander. Ao analisar a partida, o técnico português elogiou a postura do adversário.

– Queria parabenizar o adversário, que foi melhor do que nós durante praticamente os 90 minutos. Foi melhor com 11.

Com dez, eles souberam se adaptar e conseguiram chegar à igualdade. Uma equipe não depende exclusivamente de um setor.

Muito do que se faz no ataque, depende do que é feito na defesa e no meio de campo, da mesma forma que o que acontece no setor defensivo tem influência daquilo que o ataque e o meio-campo faz. É uma questão global.

E hoje, para mim, fizemos um jogo sofrível em termos ofensivos. Fizemos dois gols, mas com muitos erros defensivamente, não fomos tão equilibrados como somos, normalmente.

..

Se tivesse que ter um vencedor, teria de ser o adversário e não nós.LEIA TAMBÉM:>> Com show de Marinho, Vitória arranca empate com o Cruzeiro>>

Cruzeirenses lamentam tropeço em casa e miram reação na Copa
do Brasil>> Mineirão registra maior público do Cruzeiro na temporadaO comandante português admitiu que pode ter ocorrido alguma
falha de comunicação entre ele e os atletas.

Bento citou a atuação de
Marinho, pelo lado esquerdo, como ponto forte do time rival, que foi
alertado e corrigido, antes e durante o jogo, mas sem sucesso.  –
Os princípios e a estratégias são passados antes.

Há um tempo de
correção disso no intervalo. Tivemos hoje ainda uma vantagem, que foram
as duas pausas durante a partida, para conversar.

Das duas, uma: ou eu
transmiti mal a estratégia, ou os jogadores entenderam mal. Não há outra
forma de entender.

Assumo a responsabilidade sobre esse fato, de o
Marinho receber a bola muitas vezes e em situações de um contra um. Temos de corrigir e analisar.

Escolhas para a zagaPor opção técnica, Bento preferiu manter Bruno Viana e Fabrício Bruno na zaga.  No entanto, o treinador poupou a dupla de críticas, entendendo que as falhas foram de todo o time.

 – É questão de opção. Tem a ver com os nossos princípios sobre os quatro zagueiros que temos à disposição; com o regresso do Manoel, são cinco.

Os que têm jogado mais são Bruno Viana, Bruno Rodrigo e Fabrício. Optamos por essa dupla (Viana e Fabrício).

Mas não tem a ver com a dupla defensiva, mas sim com os erros globais da equipe.
.

Fonte: Globo Esporte