A derrota para o Grêmio por 2 a 0, na noite deste domingo, em Porto Alegre, fez o Cruzeiro despencar para a lanterna do Campeonato Brasileiro (veja os melhores momentos acima). A atuação do time foi terrível, como reconheceu o próprio treinador Paulo Bento. O português avaliou que foi a pior atuação do time desde sua chegada à Toca da Raposa II.

Para ele, faltou, principalmente, poder ofensivo para o Cruzeiro, que pouco criou e quase nada concluiu em Porto Alegre.LEIA MAIS>>> Cruzeiro volta a ser lanterna após um ano, e jogadores lamentam- Dizer o
que faltou teria que enumerar uma lista extensa para poder justificar o que foi
a atuação.

Faltou praticamente tudo que deve haver em uma equipe que quer
competir e jogar melhor. Não conseguiu.

Para mim, foi o pior jogo que fizemos
desde que chegamos. Foi ofensivamente o jogo mais pobre, em que construímos praticamente
nada.

Acabou por nos cair do céu a penalidade. Não creio que se concretizássemos,
entraríamos no jogo.

Não vamos nos agarrar num lance para justificar uma
derrota que foi completamente justa e merecida. O adversário foi melhor.

Até quando
tomamos o primeiro gol, não estávamos jogando bem, mas defensivamente tínhamos o
jogo controlado. O Grêmio não tinha chegado, com exceção da bola que mandou no
poste.

Não combatemos da melhor maneira. No segundo tempo, não tivemos
capacidade para mudar nossa linha de pressão.

Acabamos por sofrer o 2 a 0 numa
situação que conhecíamos, num chute de meia distância. Temos que treinar mais.

Estamos
na situação que estamos por demérito próprio.Dizer o
que faltou teria que enumerar uma lista extensa para poder justificar o que foi
a atuação.

Faltou praticamente tudo que deve haver em uma equipe que quer
competir e jogar melhor. Não conseguiu.

Para mim, foi o pior jogo que fizemos
desde que chegamos. Foi ofensivamente o jogo mais pobre, em que construímos praticamente
nada.

Acabou por nos cair do céu a penalidade. Não creio que se concretizássemos,
entraríamos no jogo.

Não vamos nos agarrar num lance para justificar uma
derrota que foi completamente justa e merecida

O fato de ter escalado um time jovem, com vários garotos vindos das categorias de base, não foi fator determinante para a derrota, segundo Paulo Bento. Essa, aliás, tem sido a tônica no trabalho do treinador.

Ele afirmou que vai continuar usando atletas como Allano, Fabrício Bruno, Bruno Viana e Bruno Ramires, entre outros. Segundo o treinador, os critérios para a escolha do time são técnicos, físicos e psicológicos.

– A bagagem é
um fato, não falei nada mais sobre isso, é uma verdade. O treinador escolhe em
função daquilo que ele acha que é melhor para a equipe, em características técnicas,
físicas e psicológicas.

Idade não é critério. É normal jogadores mais jovens
cometerem erros, por terem menos experiência.

A idade não será fator para eu
escolher meus jogadores. Quando comecei minha carreira, comecei com jogadores
de pouca idade, que hoje são de alto nível.

Oxalá isso possa acontecer com o Cruzeiro. Passaremos por problemas, mas não pela idade dos jogadores.

Assumo os erros e
as responsabilidades.Paulo Bento minimizou o erro de Arrascaeta na cobrança do pênalti.

O placar do jogo já estava 2 a 0 para o Grêmio, quando o Cruzeiro teve uma penalidade a favor. O uruguaio bateu muito mal, e a derrota foi mantida.

O técnico contou que se o time tiver outro pênalti pode ser que Arrascaeta cobre novamente.- Quando
treinamos, vários jogadores batem.

Foi o primeiro pênalti a nosso favor e decidimos
que era o Arrascaeta o cobrador. Se tivermos que decidir por outro, vamos decidir.

Se
tivermos que manter o Arrascaeta, é o que vamos fazer. Isso acontece, não há
nada demais em um jogador errar uma penalidade.

Com oito pontos e na lanterna do Brasileiro, o Cruzeiro volta a campo na próxima quarta-feira, às 19h30 (de Brasília), quando enfrenta a Ponte Preta, no Moisés Lucarelli, em Campinas, pela 10ª rodada do Campeonato Brasileiro 
.

Fonte: Globo Esporte