Roupas dobradas, passaporte em dia e todos os pertences preparados. Apesar da fase ruim do Cruzeiro, Paulo Bento não se estressa e não teme perder o cargo. Mas avalia que treinador sempre tem que estar preparado para despedidas.

O comandante da Raposa, conhecido pelo estilo sério nas entrevistas coletivas, quebrou o gelou e brincou, nesta sexta-feira. Arrancou risadas dos jornalistas quando, ao falar sobre a situação da equipe celeste, foi perguntado se o cargo dele estaria ameaçado caso os resultados ruins persistirem.

– Treinador tem que estar sempre preparado para ter a mala feita. A única diferença é que dessa vez eu trouxe mais coisas, porque estou em Belo Horizonte.

Em Portugal não precisa de uma mala grande, porque tinha minha casa própria. Aqui eu trouxe mais coisa, porque foi ficar um mínimo de um ano e meio, ficar muito tempo fora.

Mas não há uma preocupação, uma precipitação. Não vivo com esse estresse.

Sei que Brasil é algo comum não dar muito tempo para o treinador preparar. A entrevista do goleiro Fábio, cobrando reforços da diretoria, foi repercutida com o treinador.

No entanto, Paulo Bento manteve a postura de não falar sobre negociações. – Não vou desviar em nada daquilo já disse.

São situações
para se tratar internamente. Estamos em contato com as pessoas do clube para arranjar
as melhores soluções.

Neste momento, isso não pode trazer problema. Temos que tratar
com o elenco deste momento, os jogadores disponíveis no elenco.

E, ao mesmo tempo, a próxima semana, que tem três jogos, com intervalo de duração de 48 horas entre eles.
.

Fonte: Globo Esporte