Depois de um primeiro tempo morno, meio parado e com poucas chances de gol, Campinense e Cruzeiro fizeram um bom segundo tempo no Estádio Amigão, em Campina Grande, e proporcionaram uma etapa final empolgante para quem acompanhou o duelo, que marcou a estreia de ambas as equipes na Copa do Brasil de 2016. Gol que é bom, contudo, nada.O resultado, assim, não só não evita o jogo de volta do duelo entre Raposas, programado para o dia 4 de maio, como deixa os dois clubes em pé de igualdade para conquistar a classificação para a segunda fase.

Pela estrutura e por ser um clube de Série A, o Cruzeiro era amplamente favorito, mas o time misto do Campinense soube se portar bem e segurou o rival. Agora, quem vencer o jogo em Belo Horizonte se classifica.

Um novo 0 a 0 e a disputa vai para os pênaltis. Empate com gols classifica os paraibanos.

LEIA MAIS+ Veja como foi lance a lance o jogo entre as Raposas+ Confira a tabela da Copa do Nordeste de 2016As duas equipes se preparam agora para as outras competições que participam. O Campinense tem no domingo o Clássico dos Maiorais contra o Treze, seu arquirrival, valendo vaga nas semifinais do Paraibano 2016.

E logo na sequência terá os dois jogos das finais da Copa do Nordeste, contra o Santa Cruz (foi justamente estes compromissos que fizeram o Rubro-Negro poupar parte dos titulares). Já o Cruzeiro terá pela frente no final de semana o América-MG, pela semifinal do Campeonato Mineiro, num jogo em que a Raposa mineira vai precisar reverter a vantagem conquistada pelo Coelho.

Pouca emoção na primeira metade

 

O primeiro tempo foi equilibrado, mas com poucas emoções. O que não
significa dizer que a primeira chance tenha demorado a sair.

Isto porque logo
aos três minutos Rafael Silva bateu forte, de fora da área, e obrigou Glédson a
fazer uma difícil defesa. Pouco depois, o Cruzeiro chegou de novo, num lance em
que Rafael Silva de cabeça colocou a bola na direção do gol, mas para nova
defesa do arqueiro rival.

Os dois lances, contudo, não significariam presságio
de uma superioridade indiscutível da equipe mineira. O Campinense corrigiu a
marcação e impediu novos avanços dos visitantes.

Para completar, os paraibanos
também passaram a atacar, e com certo perigo, mas erravam nas finalizações. A melhor chance do time
da casa aconteceu aos 44, quando Magno arriscou de muito longe.

A bola pegou
efeito, com perigo, mas beliscou no travessão antes de sair.

 

Um outro segundo tempo, mas também sem golsSe o primeiro tempo deixou a desejar, a etapa final seria muito melhor.

Mais empolgante e cheio de variações. E dois fatores foram responsáveis para
isto.

Do lado da Raposa paraibana, o bom meia Roger Gaúcho entrou em campo,
dando mais velocidade ao setor ofensivo. Já no lado da Raposa mineira, Léo foi
expulso logo no primeiro tempo.

O time da casa melhorou. E o visitante, pasmem,
também melhorou mesmo jogando com um a menos.

Assim, a partida ficou mais
franca. Por exemplo, aos seis minutos Roger Gaúcho cruzou na área e Pitbull de
cabeça obrigou Fábio a operar um milagre.

No minuto seguinte, era a vez de
Élber passar pela zaga e quase marcar para o Cruzeiro. O jogo seguiu equilibrado, com os dois times subindo ao ataque, mas seriam dos mineiros as melhores chances a partir de então.

Foram exatamente três lances. Na primeira, Lucas Romero acertou a trave.

Nas outras duas, com Élber e mais uma vez Lucas Romero, Glédson se agigantou para fazer belas defesas e garantir o empate (confira os melhores momentos do jogo no vídeo abaixo). 
.

.

Fonte: Globo Esporte