Mano Menezes reestreou no Cruzeiro com a derrota por 2 a 0 para o Santos, domingo passado, na Vila Belmiro. Apesar do resultado negativo, o time teve boa apresentação e várias chances de abrir o placar, deixando boa impressão. Quinta-feira, veio a primeira vitória.

Jogando um futebol envolvente, o Cruzeiro de Mano fez 4 a 2 no Internacional (veja os melhores momentos no vídeo acima), no Independência, e ganhou novo alento para continuar a briga contra o rebaixamento no Campeonato Brasileiro.LEIA MAIS>>> Henrique volta, e Mano tem dúvida no ataquePara o comentarista do SporTV, Henrique Fernandes, o time deste ano já tem algumas características em comum com o de 2015.

Na ocasião, Mano Menezes assumiu o comando técnico do Cruzeiro com o time na 16ª colocação do Campeonato Brasileiro e mudou a cara do time, que terminou a competição na oitava posição, após uma notável recuperação técnica e tática.Henrique Fernandes listou os principais pontos positivos do Cruzeiro de Mano Menezes de 2016 e fez um paralelo com os do ano passado.

– Volume de jogo + posse de bola + intensidade no início- O Cruzeiro de Mano Menezes em 2015 procurava jogar em casa
de forma mais ofensiva na primeira etapa até marcar, pelo menos, o primeiro
gol. No ano passado, fez isso contra Figueirense, Atlético-MG, Vasco, Coritiba,
Fluminense, São Paulo e Sport.

Ou indo para o intervalo com vantagem, ou pelo
menos buscando o empate depois de um gol do adversário. Foi exatamente dessa
forma que o Cruzeiro trabalhou no jogo contra o Inter.

O gol do Colorado não
mudou a postura do time, que pressionou fortemente na intermediária e ganhou
quase sempre a segunda bola.- Controle + compactação + contra-ataque no fim- O quarto gol, marcado por Rafael Sobis, foi a senha.

Dali em
diante, o Cruzeiro passou a mostrar toda a melhora na compactação do time
depois da chegada de Mano. Fechou-se em duas linhas bem compostas.

A primeira
com Lucas, Manoel, Bruno Rodrigo e Edimar. A segunda com Robinho, Bruno
Ramires, Ariel e Sobis.

Mais à frente, Arrascaeta e Ábila, todos voltando e
reduzindo espaços. Ao menor erro do Inter, tentativa de saída rápida, com os
meias abertos ou Arrascaeta, com Ábila avançando para finalizar.

Já no primeiro
tempo o time mostrava um pouco essa estratégia. Edimar deu o bote certo, a
ligação foi feita com Rafael Sobis e a saída foi tão rápida e eficiente, que o
Cruzeiro chegou a ter quatro jogadores na área para finalizar.

A jogada
resultou no terceiro gol.O elenco tem qualidade, margem para crescimento, mas não
demonstra em campo.

Os jovens são promissores, destaques desde a base, mas não
confirmam no time de cima. Tudo isso foi visto no Cruzeiro em 2016, e a solução
para todos estes problemas pode estar na recuperação da confiança e no
autocontrole.

– Manutenção do time titular- Mano sempre foi adepto de um time titular, com reservas
normalmente mais utilizados nas partidas. Já está à procura disso no Cruzeiro e
mostrou nos dois jogos.

Nas escalações iniciais contra Santos e Inter, só uma
mudança, forçada, Willian por Ábila. Possível mais uma contra o Corinthians que
seria o retorno de Henrique na vaga de Bruno Ramires.

Durante os jogos, também,
poucas mexidas. Só duas contra o Santos, e, contra o Inter, as três executadas
por questões físicas, oxigenando os meias que trabalham pelos lados e que,
normalmente, desgastam-se mais: Sobis e Robinho.

Quer manter os jogadores
atuando da maneira que deseja e que mexa o mínimo na estrutura tática.- Tranquilidade 

– O time produz, joga bem, perde gols e uma falha coloca tudo
a perder.

O elenco tem qualidade, margem para crescimento, mas não demonstra em
campo. Os jovens são promissores, destaques desde a base, mas não confirmam no
time de cima.

Tudo isso foi visto no Cruzeiro em 2016, e a solução para todos
estes problemas pode estar na recuperação da confiança e no autocontrole. Na
coletiva pós-jogo, Mano ressaltou o trabalho que fez para manter os jogadores
concentrados e confiantes.

A torcida, muito atuante no Independência, também
ajudou. Contra o Inter, a bola entrou, e o time não se descontrolou com o gol
sofrido no início.

Soube suportar a pressão e não se desviou do plano traçado
pro jogo em momento algum. Bons sinais.

..

.

Fonte: Globo Esporte