A corregedoria do STJD (Superior Tribunal de Justiça Desportiva) abriu investigação contra o procurador-geral do tribunal, Paulo Schmitt. Quem confirma a informação ao GloboEsporte.com é o vice-presidente e corregedor do STJD, Ronaldo Piacente.

A investigação foi aberta a partir de uma denúncia do auditor Washington Rodrigues, que pediu o afastamento de Schmitt.- Ninguém foi afastado porque os fatos ainda precisam ser apurados.

Já determinei a abertura de um procedimento investigatório e também que Paulo Schmitt se manifeste – declarou Piacente.Schmitt foi acusado pelo auditor Washington Rodrigues, da 1a Comissão Disciplinar, de atuar em defesa da CBF em casos no STJD.

Confira aqui a íntegra da acusação de Rodrigues. A acusação se deu após o site da “ESPN” publicar uma troca de e-mails entre Paulo Schmitt, Marco Polo Del Nero em 2012, então vice-presidente da CBF, e Carlos Eugênio Lopes, diretor jurídico da CBF.

O caso será julgado pelo Pleno (a segunda e definitiva instância do STJD).Washington Rodrigues foi citado nessa troca de e-mails por não ter condenado o Atlético-MG num caso de 2012, quando torcedores do clube mineiro protestaram contra a CBF.

A troca de mensagens entre Schmitt, Del Nero e Lopes mostra que eles articularam para o Atlético-MG ser condenado no Pleno, o que acabou acontecendo – o clube foi multado em R$ 10 mil.Em contato com o GloboEsporte.

com, Schmitt rebateu as acusações de Washington Rodrigues e atacou o auditor. Schmitt também pediu a abertura de uma investigação contra Rodrigues – pedido que ainda não foi analisado pela procuradoria do STJD.

Além do “fogo amigo” de um auditor do STJD, Paulo Schmitt enfrenta a oposição dos maiores clubes do país, que também pediram seu afastamento. Dirigentes de Corinthians, Cruzeiro, Atlético-MG, Flamengo, Grêmio, Palmeiras, Internacional, Santos, São Paulo e Vasco dizem que “é imprescindível que se adote, também na Procuradora-Geral da Justiça Desportiva do Futebol, o princípio que se aplica a todo e qualquer sistema integrante de um regime democrático: a alternância de poder”.

Os dirigentes questionam a imparcialidade do advogado, e lembram ainda que ele já se envolveu em polêmica por ter supostamente recebido ingressos da Copa do Mundo para serem revendidos. Ele nega.

.

Fonte: Globo Esporte