Fábio não joga mais este ano. A contusão no joelho direito do goleiro é grave. Ele sofreu ruptura no ligamento cruzado anterior, vai passar por cirurgia e tem previsão de volta estimada em oito meses.

O Cruzeiro perde muito, obviamente.O lance que resultou na lesão aconteceu aos nove minutos do primeiro tempo do empate em 2 a 2 com o Coritiba, no domingo, no Independência, quando Fábio se chocou com o atacante Kazim, do time paranaense (veja no vídeo acima).

O camisa 1 suportou alguns minutos, e deixou o campo aos 34, ainda da primeira etapa.LEIA MAIS>> De quarto goleiro a titular do Cruzeiro: conheça a trajetória de Lucas FrançaAlém da qualidade técnica que tem, Fábio é o principal líder e referência do elenco cruzeirense.

Com 704 partidas disputadas, o camisa 1 é o atleta que mais jogou pelo clube e é o maior ídolo da torcida atualmente.Para o comentarista do SporTV Henrique Fernandes, a simples presença de Fábio no vestiário, durante os treinos e jogos, já faz bem ao elenco.

Além da segurança em campo, o goleiro transmite tranquilidade pela experiência e pela ascendência que tem no elenco cruzeirense. – Perder o capitão pode
afetar no sentido de que, em tratamento, Fábio perderá parte do convívio direto
com o restante do grupo.

Em algumas situações mais delicadas nos jogos, por
exemplo, seria importante ter a palavra dele no vestiário antes, durante e
depois dos jogos. Por outro lado, se você olha para o elenco do Cruzeiro,
percebe que experiência não falta.

Manoel, Bruno Rodrigo, Henrique e Sobis,
entre outros. Jogadores com rodagem nacional e internacional, habituados a
situações diversas.

Se eles souberem a hora de assumir a responsabilidade,
podem minimizar a ausência do capitão.

O Cruzeiro tem outros três goleiros no elenco.

Rafael, Lucas França e Elisson. Henrique Fernandes fala sobre eles e aponta mais um problema: Rafael passou por uma cirurgia no quarto dedo da mão esquerda e já se recuperou, mas precisa de tempo para retornar aos gramados.

– O substituto
natural é Rafael, pela qualidade, tempo de grupo, identificação com o Cruzeiro
e com a torcida. Embora tenha jogado pouco na carreira, sempre à sombra de
Fábio, Rafael tem certo prestígio diante da torcida.

O problema é que, assim
como o capitão, Rafael retorna de cirurgia e ainda precisará de um tempo para se
condicionar. Se estiver em forma, tem que jogar.

Boas atuações nos primeiros
jogos como titular podem fazer com que o período dele no time seja tranquilo.
Enquanto não tem Rafael, o Cruzeiro se vira com Lucas França e Élisson.

Lucas França é o preferido de Mano Menezes para substituir Fábio. Foi assim na partida com o Corinthians, quando o titular estava suspenso e, neste domingo, quando Lucas entrou no lugar de Fábio.

O comentarista acredita que o garoto de 20 anos ainda precisa evoluir, mas que tem muito potencial.- Mano já
deu sinais claros de que Lucas França está à frente de Elisson.

Lucas não está
pronto, mas tem potencial. A grande vantagem para ele é a tabela nos primeiros
jogos sem Fábio.

Um jogo fora de casa em que deve ser exigido (Figueirense) e
partidas em que o Cruzeiro deve ter a iniciativa, a posse, e expor pouco o
arqueiro (Santa Cruz, América e Botafogo). De qualquer forma, Lucas França
passou recentemente por uma prova complicada: suportar o Corinthians fora de
casa.

Oscilou durante o jogo, mas, em geral, não teve atuação ruim. Depois
dessa sequência, se tudo correr como o esperado, Rafael retorna e assume
naturalmente a meta”.

.

Fonte: Globo Esporte