Líder absoluto da primeira fase do Campeonato Mineiro, com nove pontos de frente para o segundo colocado, o Cruzeiro tem a maior sequência de vitórias entre os times que disputam a Série A do Campeonato Brasileiro: sete, sendo seis pelo estadual e uma pela Primeira Liga (veja no vídeo abaixo os melhores momentos da vitória sobre o Atlético-MG).  O técnico Deivid conseguiu dar padrão de jogo ao time, após um começo de ano irregular. Jogadores que não começaram bem na temporada, deram a volta por cima e retomaram a confiança da torcida, como Ariel Cabral e Mayke.

Outros que chegaram ao clube ou voltaram de empréstimos se adaptaram rápido ao trabalho do treinador. Casos de Romero, Sánchez Miño e Elber.

Ainda assim, a torcida não tem na ponta da língua o time que começa jogando a partida do próximo sábado, contra o América-MG, no Independência, pela semifinal do Campeonato Mineiro.O que normalmente não seria bom, é, na verdade, um bom presságio.

Não saber o time de cor não é sinal de indefinição no elenco ou no esquema tático, mas, sim que, no jargão do futebol, é conhecido como “dor de cabeça boa”. Deivid tem dúvidas para armar o Cruzeiro para o clássico com o Coelho não por faltas de opções.

Muito pelo contrário. Na verdade, o time tem boas opções para todos os setores.

Deivid tem dúvidas em vários setores do time que disputa o clássico. O goleiro, a dupla de zaga e o lateral-esquerdo já estão definidos.

Nas demais posições, o técnico ainda vai decidir o que fazer, nos treinamentos da semana. Fábio está confirmado.

Os dois zagueiros serão Léo e Bruno Rodrigo, e o lateral-esquerdo será o argentino Sánchez Miño. Os confirmados representam 36% do time titular.

Ou seja, Deivid tem dúvida em 64%.O comentarista do SporTV, Henrique Fernandes, dissecou o elenco cruzeirense, e através de uma análise do trabalho de Deivid, apontou as dúvidas do treinador e as consequências de cada escolha que ele fizer.

FABIANO OU MAYKE? “Gosto mais do estilo do Mayke, mas
ainda o vejo como um jogador em evolução, recuperando-se técnica e
fisicamente. Um lateral ofensivo, habilidoso e com facilidade para
chegar
a linha de fundo e cruzar, mas a deficiência dele na marcação é algo
importante, que pode prejudicar o equilíbrio do time.

Em 2013 e 2014,
num time mais acertado, Mayke funcionava em um esquema só com dois meias
de mais marcação. Atualmente, como ele ainda
não está 100%, talvez seja mais adequado tê-lo em campo num sistema com
três jogadores mais fortes na marcação no meio-campo.

Fabiano, por
outro lado, é um lateral da força física, de marcação. Já foi zagueiro
na carreira e mostra cada vez mais segurança pelo
Cruzeiro, ajudando a estabilizar o time defensivamente, exigindo menos
colaboração dos homens de frente na recomposição.

Também tem boa
estatura para o jogo aéreo. Vantagem importante na defesa e no ataque.

“TRÊS VOLANTES OU TRÊS MEIAS? “Por convicção, Deivid já disse que prefere um
time mais aberto, desde que equilibrado. Tentou jogar dessa forma no
início do ano, mas percebeu um time com dificuldades de recomposição.

Com a bola, a equipe até mostrava velocidade, técnica, dinâmica. Sem a
bola, dava espaço e tempo demais para o adversário, pouca compactação
defensiva, sofrimento com os contra-ataques.

Quando o treinador optou
por mais um homem de marcação, resolveu o problema
da compactação. Depois, trabalhou Romero para escapar mais pelo lado
direito e virar opção ofensiva, melhorando a saída para o ataque.

Fez o
mesmo com Henrique. A saída de bola ficou mais “curta”, com os dois
meias ofensivos se aproximando.

Contra o Guarani,
na última atuação do time titular, Deivid voltou a usar o sistema só
com dois homens mais de marcação no meio campo. O treinador dá sinais de
que está mais seguro do time pela evolução do trabalho.

É possível que
mantendo o sistema que o agrada mais, o Cruzeiro
não demonstre os mesmos erros do início da temporada.”ELBER OU ARRASCAETA? “Se Deivid optar nas semifinais pelo sistema que
mais utilizou na temporada, com três homens mais de marcação, a grande
dúvida é sobre quem ficará com as vagas na frente.

Alisson é o principal
jogador para fazer a função pelo lado esquerdo e parece mais perto de
ficar com a titularidade. Arrascaeta ou Elber? O primeiro tem mais
técnica, qualidade de passe e fica menos preso a um lado apenas do
campo.

O segundo é o mais agudo e veloz jogador de ataque
do Cruzeiro. Ótima opção para contra-ataques e vive boa fase técnica.

Elber larga na frente quando pensamos na recomposição defensiva. É mais
obediente taticamente.

Arrascaeta, por sua vez, tem muito potencial e,
com a sequência de jogos após ter passado a
primeira temporada de adaptação, tem mais margem de evolução que Elber.”QUEM DEVE SER O ATACANTE MAIS A FRENTE? “São três opções.

Willian foi o
primeiro a ganhar chance, até pelo excelente segundo semestre de 2015,
quando ele sobrou como melhor jogador do Cruzeiro. O problema são as
lesões musculares que tem complicado a sequência dele.

Em boa fase como
ano passado é bom finalizador, tem habilidade e velocidade. Mas precisa
se recuperar fisicamente.

Na ausência de Willian, apareceu Rafael
Silva. No Vasco, foi mais vezes jogador de lado
de campo no ataque (Como Élber e Alisson) do que atacante mais fixo na
área.

No Cruzeiro, mostrou faro de gol, boa movimentação e supriu a
ausência de Willian. A boa fase e os números dificultam a saída de
Rafael do time.

Agora, com Willian em condições, Deivid
sabe que simplesmente tirar o artilheiro do Cruzeiro na temporada pode
passar a mensagem ao grupo de que não importa tanto o que eles
demonstram em campo. A terceira opção é Douglas Coutinho.

Jogando a
frente, fez dois contra o Boa Esporte. Em 2014, trabalhou
bem no Atlético-PR como homem mais avançado.

Talvez ganhe mais espaço,
inicialmente, saindo do banco e pode embaralhar essa disputa na frente.”
.

Fonte: Globo Esporte