– Moleque!
Irresponsável! Você não tem juízo nessa cabeça?

Com estas palavras, os olhos
fumegantes e vermelhos de ódio, e o dedo em riste, o técnico Zezé Moreira
recebeu o ponta-esquerda Joãozinho no vestiário, minutos após o jogador ter
marcado o gol da vitória por 3 a 2 sobre o River Plate-ARG, que valeu ao Cruzeiro
o título da Libertadores de 1976, primeiro do clube, e que, no dia 30 de julho, completa 40 anos.

É tudo verdade, por mais absurdo
que este caso possa parecer. No vestiário do Cruzeiro, em Santiago do Chile,
depois da comemoração e da volta olímpica no gramado, foi preciso a intervenção
de Carmine Furletti, vice-presidente do clube, para que Zezé não partisse pra
cima de Joãozinho e lhe desse uns tapas.

A ira do treinador é explicada pelo
fato do Cruzeiro contar com Nelinho em seu elenco, um dos maiores cobradores de
faltas de todos os tempos. Joãozinho nem se importou com isso.

Simplesmente foi
lá, bateu a falta e fez o gol. (veja o vídeo com o gol histórico abaixo) 

Esta e outras várias histórias
marcantes fizeram do João Travolta, maior ponta-esquerda da história do
Cruzeiro, uma verdadeira lenda.

Com 485 jogos disputados com a camisa azul e
119 gols marcados, Joãozinho é oitavo jogador que mais atuou pelo clube e o
nono maior artilheiro de todos os tempos. Estes números provam que, antes de
tudo, o ‘bailarino’ tinha um talento incomparável, além do carisma que o tornou
um dos grandes ídolos do clube.

O gol de Joãozinho e o primeiro título da Taça Libertadores do Cruzeiro completam 40 anos esta semana. Para lembrar a data, o GloboEsporte.

com preparou uma série de matérias especiais, conversando com alguns dos principais personagens dessa história e relembrando momentos marcantes.O começo

A carreira de João Soares de
Almeida Filho no futebol começou meio que por acaso.

Nascido em Belo Horizonte,
Joãozinho desde criança era destaque nas peladas de bairro, com a velocidade e
os dribles que o fariam famoso internacionalmente alguns anos depois. O esporte
para ele, porém, era apenas uma diversão, tanto que ele nunca havia pensado em
fazer teste em um time profissional, até que o destino agiu a seu favor.

O Senhor João de Almeida, pai de
Joãozinho, além de cruzeirense fanático, era motorista de ônibus na empresa de
Carmine Furletti, o mesmo dirigente que salvaria Joãozinho de levar uns sopapos
de Zezé Moreira, em 1976, depois do jogo com o River Plate. Numa conversa
informal após um dia comum de trabalho, o Sr.

João pediu ao patrão uma chance
para o filho no time de juvenis do Cruzeiro.

Ser aprovado na peneira não foi
problema para o Bailarino.

Difícil foi, aos 16 anos, abandonar o cigarro, vício
incompatível para um atleta e intolerável por Furletti, como lembra Joãozinho:

– Eu fiquei muito amigo dele,
tive este prazer e esta honra. Eu fumava, com 16 anos, e ele me disse:
“Joãozinho, não fume, você não pode fumar, você é um atleta”.

Aí ele
me pegou umas duas vezes com o cigarro na boca e falou assim: “Você não
vai entrar aqui mais se eu pegar você fumando”. Eu queria ser um atleta, então
parei de fumar depois disso.

Muita gente não acredita que eu era ponta-esquerda batendo com a perna direita.
Nos treinamentos, eu evoluí bastante a canhota.

Não conseguia bater de canhota
com a bola parada, mas quando ela chegava era tranquilo

Joãozinho não demorou a chamar a
atenção no Cruzeiro. Mesmo sendo destro, jogava na ponta-esquerda.

Para muitos,
a posição invertida no campo ajudava a confundir os marcadores, acostumados a
marcar canhotos.

– É uma coisa bastante curiosa.

Muita gente não acredita que eu era ponta-esquerda batendo com a perna direita.
Nos treinamentos, eu evoluí bastante a canhota.

Não conseguia bater de canhota
com a bola parada, mas quando ela chegava era tranquilo.

A estreia no time profissional
foi no dia 3 de maio de 1973, num empate sem gols contra o Uberlândia, pelo
Campeonato Mineiro.

O primeiro gol veio dez dias depois, na vitória por 3 a 0
sobre o Valério, em Itabira. Segundo os jornais da época, foi um golaço.

Joãozinho recebeu a bola perto da linha de fundo, sem ângulo e deu um toque de
efeito sobre toda a defesa para marcar.O maior jogo da história do
Mineirão

Como vice-campeão brasileiro de
1975, o Cruzeiro ganhou o direito de disputar a Taça Libertadores do ano
seguinte.

Já contando com uma das melhores equipes do país, a Raposa se
reforçou com o tricampeão mundial Jairzinho e fez um time inesquecível. A
estreia na competição foi contra o fortíssimo Internacional, num jogo
memorável, que muitos consideram, até hoje, o mais incrível da história do
Mineirão.

O Cruzeiro venceu por 5 a 4, com dois gols de Joãozinho, considerado o
melhor jogador em campo.

– O jogo contra o Internacional
realmente foi o melhor jogo da minha vida.

O time deles tinha Manga, Figueroa,
Falcão, Lula, Caçapava, era um timaço, tanto que foi três vezes campeão
nacional. O nosso time também era muito bom.

Nós tínhamos perdido pra eles a
final do Brasileiro, lá dentro do Beira-Rio, e logo depois teve o confronto da
Libertadores e nós tivemos a sorte de ganhar por 5 a 4. Eu realmente fiz a
diferença.

Joãozinho sem lembra de detalhes
daquela partida e de todas as dificuldades que o Cruzeiro teve que superar para
vencer Falcão e companhia.

– O Palhinha foi expulso, nós
jogamos boa parte do jogo com 10 homens, e mesmo assim conseguimos ganhar
deles, que tinham um time muito poderoso.

Fiz dois gols e dei passes para
outros dois. Faltando dois minutos para acabar, o Cláudio me calçou dentro da
área e foi pênalti, que o Nelinho bateu e marcou.

Até hoje muita gente me diz
que foi o melhor jogo do Mineirão em todos os tempos.A conquista da América

A vitória sobre o Internacional
impulsionou o Cruzeiro para uma campanha incrível na Taça Libertadores.

O time
chegou invicto à final contra o River Plate. Venceu o primeiro jogo, no
Mineirão, por 4 a 1 e perdeu o segundo, por 2 a 1, em Buenos Aires.

Pelo
regulamento de hoje, seria campeão, mas, na época, havia a necessidade de
disputar a terceira partida e ela foi marcada para um campo neutro, o Estádio
Nacional, em Santiago.Eu lembro que cheguei com o
joelho doendo na final.

Tinha disputado toda a Libertadores e não ia deixar de
jogar justo na final. Coloquei uma joelheira e fui.

O jogo foi muito difícil.

O Cruzeiro começou bem e abriu 2
a 0, gols de Nelinho e Eduardo.

O River diminuiu com Más e empatou num lance
polêmico. O time argentino teve uma falta na entrada da área e enquanto os
jogadores do Cruzeiro discutiam com o árbitro e montavam a barreira, Sabella
cruzou para Crespo, sem marcação alguma, marcar o gol.

As reclamações dos
brasileiros de nada adiantaram, até que chegou a hora de Joãozinho dar o troco.
O que pouca gente sabe até hoje é que o ponta-esquerda jogou aquela partida no
sacrifício.

– Eu lembro que cheguei com o
joelho doendo na final. Tinha disputado toda a Libertadores e não ia deixar de
jogar justo na final.

Coloquei uma joelheira e fui. O jogo foi muito difícil.

Estava bastante frio e a gente não estava acostumado.

Uma falta para o Cruzeiro na
entrada da área do River Plate, aos 42 minutos, gerou a mesma discussão do lance
anterior, favorável aos argentinos.

Nelinho, o melhor cobrador de faltas do
mundo naquela época, ajeitava a bola, enquanto os jogadores do River falavam
com o árbitro e montavam a barreira. O resto quem conta é Joãozinho:

– Ninguém esperava que eu batesse
a falta.

Todos esperavam o Nelinho, que era o maior cobrador de faltas do
mundo. O juiz também não esperava, tanto que nem tinha apitado.

Eu vim de
direita e tive a felicidade de fazer a bola entrar e a gente ser campeão.A ‘molecagem’ de Joãozinho

Este texto começa com a bronca
que o treinador Zezé Moreira deu em Joãozinho após o jogo.

O cobrador de faltas
oficial do time era Nelinho e o ímpeto do ponta-esquerda, festejado até hoje
pela torcida do Cruzeiro, não agradou em nada ao técnico, ainda que o final da
história tenha sido feliz.

– Ali estava praticamente certo
que o Nelinho faria o gol também, porque era o maior batedor de falta do mundo.

A verdade é que ele veio vibrando, todo alegre. Quem ficou bravo foi o treinador,
o seu Zezé Moreira.

Ele era muito sério, muito carrancudo, ficou até agressivo
comigo. Falou que eu não podia ter feito aquilo, que quem tinha que bater a
falta era o Nelinho e que eu era um moleque irresponsável.

Até que veio o
Carmine Furletti, que era o vice-presidente do Cruzeiro e falou pra ele
conversar comigo em Belo Horizonte, que aquele momento era pra curtir o título.

A bronca, é claro, se transformou
em um grande abraço alguns minutos depois.

O lance mais famoso da carreira de
Joãozinho é lembrado e contado repetidas vezes até os dias de hoje, em todos os
lugares onde vai.

– O goleiro estava muito
preocupado com o Nelinho e me deu na cabeça bater a falta.

Os argentinos
achavam que eram melhores que nós. Valeu porque o Cruzeiro foi campeão da
Libertadores e abriu a porta para vários times porque até então só o Santos de
Pelé havia sido campeão.

Derrota no gelo

O título da Libertadores deu ao
Cruzeiro o direito de decidir o Mundial Interclubes, contra o Bayern de
Munique. Além disso, rendeu ao clube vários convites para excursões no
exterior.

A primeira delas foi para França e Espanha, onde jogou contra time do
calibre de Real Madrid, PSV Eindhoven e Sevilla.

– Acho que o título da
Libertadores expandiu o Cruzeiro.

O time passou a fazer viagens para o mundo
inteiro, como o Santos fazia. Era convidado para fazer excursões fora do país e
o jogo contra o Bayern de Munique na decisão aumentou isso ainda mais – lembra
JoãozinhoAcho que o título da
Libertadores expandiu o Cruzeiro.

O time passou a fazer viagens para o mundo
inteiro, como o Santos fazia. Era convidado para fazer excursões fora do país e
o jogo contra o Bayern de Munique na decisão aumentou isso ainda mais

O time alemão era a base da
seleção campeã mundial dois anos antes.

A decisão do título foi disputada em
dois jogos, o primeiro em Munique, no Estádio Olímpico com o gramado coberto de
neve. Joãozinho conta que teve dificuldades até com a chuteira que jogou.

– O Bayern de Munique tinha oito
ou nove jogadores da seleção da Alemanha que foi campeã do mundo em 1974, então
aquilo chamou a atenção. A gente disputou de igual para igual com o Bayern, com
Beckenbauer, Sepp Meyer, Rummenigge, Muller, Breitner, todos campeões da copa
de 74.

E nós chegamos lá humildes, dentro do campo deles, em Munique, nós
jogamos de igual para igual. Nós tivemos chances de fazer gols, e jogamos ainda
com neve né, que a gente não era acostumado também.

Inclusive o Zezé falou:
“João, você não é acostumado a jogar com chuteira de trava, como é que vai
fazer, jogando debaixo de neve”. Mas não tem jeito, não tinha nem chuteira
de trava, mas o importante é que nós jogamos de igual para igual.

Nós levamos
dois gols, faltava cinco minutos para acabar o jogo. Foi aquilo ali.

A partida de volta lotou o
Mineirão, mas o Cruzeiro não conseguiu furar o bloqueio da forte defesa alemã e
o 0 a 0 deu o título para o Bayern.

– Chegou aqui e eles jogaram na
retranca, jogando só no contra-ataque, marcando muito porque eles são bons marcadores,
aí ficou mais dificil pra gente.

Mas lá nós jogamos de igual para igual,
perdemos no finalzinho, e aqui tivemos chances também de ganhar o jogo e,
felizmente, foi um jogo muito bonito, tanto lá na Alemanha quanto aqui e acho
que o Cruzeiro faltou melhor sorte para ser campeão do mundo.Gol de placa

Se a partida contra o
Internacional foi a maior da carreira de Joãozinho, um gol marcado contra o
Fluminense, pelo Campeonato Brasileiro de 1980 foi o mais bonito do João
Travolta.

Joãozinho arrancou com a bola do meio-campo e só parou de correr após
detonar a defesa do Flu e empurrar a bola para as redes do goleiro Paulo
Goulart. O lance fica melhor narrado pelo próprio João:

– Nesse jogo contra o Fluminense,
a gente estava ganhando por 2 a 1, mas estava levando sufoco.

A gente não via a
hora do Fluminense empatar o jogo. O Cristóvão, hoje técnico do Bahia, era o
melhor jogador do time deles, muito bom.

O Ilton Chaves era nosso técnico e ele
me disse pra vir para o meio quando nosso time estivesse sendo atacado porque
eu tinha uma boa arrancada. Ele pediu pra que lançassem as bolas pra mim e foi
exatamente o que aconteceu.

A gente tinha um lateral, o Zé Carlos, que lançou
pra mim, eu avancei desde o meio-campo, driblei os zagueiros, o goleiro e fiz o
gol.Fratura, seleção e final da
carreira

O Cruzeiro começou a disputa do
Campeonato Brasileiro de 1981 com um time apenas regular, mas Joãozinho ainda
estava jogando muito, tanto que era cotado para disputar a Copa do Mundo da
Espanha, no ano seguinte.

No terceiro jogo do Brasileirão, contra o Sampaio
Corrêa, no Mineirão, uma dividida com o zagueiro Darci Munique provocou uma
fratura exposta na perna direita do craque, que ficou quase um ano sem jogar.
Joãozinho não guarda nenhum rancor do lance nem do defensor maranhense e diz
que o lance foi normal, apesar do que aconteceu.

– Não, eu não tenho mágoa dele.
Na hora que o fato que aconteceu, eu calculei mal, não imaginei que ele poderia
dar o carrinho de tão longe.

Eu esperei ele chegar, era uma arrancada minha,
para tocar a bola e sair mais na frente. Ele era o último homem, eu podia até
fazer o gol, mas não lembrei que ele podia dar o carrinho.

Foi assim, ele foi
na bola, eu que errei, deixei o meu pé também, se ele me pega com o pé no alto não
tinha nenhum problema. Mas não tem mágoa, nada disso.

A única mágoa de Joãozinho é não
ter disputado a Copa do Mundo. Ele já tinha atuado com a camisa da seleção seis
vezes, tendo inclusive marcado um gol.

Depois da fratura nunca mais foi
convocado.

– Foi triste porque eu já tinha
feito algumas partidas pela seleção, o Telê já tinha falado comigo que eu era o
ponta dele na ocasião, naquele momento.

Aquilo me atrasou, me atrapalhou porque
eu fiquei fora um ano, um ano e pouco. Eu voltei depois, mas não muito bem.

Na
época a recuperação do jogador não era tão boa quanto hoje, então eu demorei
muito para voltar.

Joãozinho voltou a jogar no final
do ano, mas nunca conseguiu repetir as jogadas que tantas alegrias deram aos
cruzeirenses.

Teve o passe vendido para o Internacional em 1982, voltou para o
Cruzeiro em 1984 e ainda passou por Palmeiras, Atlético-PR e Coritiba, antes de
pendurar as chuteiras, em 1987.

Hoje, o Bailarino vive em Boston,
nos Estados Unidos, onde disputa jogos em ligas amadoras e leva uma vida
tranquila, num bairro com muitos brasileiros.

Vem ao Brasil duas vezes por ano,
mas, por enquanto, não tem planos de voltar a morar na terra natal. Joãozinho
conta que acompanha com atenção as notícias do Cruzeiro e que assiste a todos
os jogos da Raposa transmitidos para a América do Norte.

 Imortalizado na história do clube, Joãozinho mantém contato com vários jogadores da campanha de 1976 e de outras gerações em um grupo de WhatsApp.
 

 

.

Fonte: Globo Esporte