A torcida do Cruzeiro tem o hábito de abraçar o time nos momentos mais difíceis da história. Nos anos 1950, quando o clube viveu sua pior crise técnica e financeira, foram os cruzeirenses que impediram o fechamento das portas do clube e o fim do departamento de futebol. Vários torcedores se uniram e doaram dinheiro, materiais de construção e até alimentos ao clube, e esse ato serviu de base para espantar a crise e para a formação de um dos maiores times do futebol brasileiro em todos os tempos: o esquadrão que fez 6 a 2 no Santos de Pelé e conquistou a Taça Brasil de 1966.

Nos anos 1980, o time vivia enorme dificuldade técnica, numa entressafra de jogadores, entre a geração que venceu a Libertadores de 1976 e a que conquistou vários títulos nos anos 1990. Nem por isso, a torcida arredou pé do Mineirão.

O Cruzeiro registrou altas médias de público e crescimento do percentual de fãs, mesmo com a fase difícil.LEIA MAIS>> Com faixa de apoio, drone sobrevoa treino do Cruzeiro e quase é “abatido”>> Com Marcos Vinícius e sem Henrique, Cruzeiro divulga lista de relacionados>> Titular quinta-feira, Ábila revela papo produtivo com técnico Mano MenezesMais recentemente, as provas de amor continuaram.

Em 2011, o time vivia situação delicada e chegou à última rodada do Campeonato Brasileiro com reais possibilidades de rebaixamento. Se não vencesse o rival Atlético-MG, em Sete Lagoas, cairia pela segunda divisão.

Não só venceu, como goleou por 6 a 1 e permaneceu na elite. Em 2015, com o time rondando o Z-4, os cruzeirenses, mais uma vez, se mobilizaram e deram show nas arquibancadas do Mineirão, fazendo o fim de ano ser bem mais tranquilo do que se desenhava na metade do Campeonato Brasileiro.

Com 17 rodadas disputadas no Campeonato Brasileiro, o Cruzeiro só fez 15 pontos. A situação é ainda mais dramática que a do ano passado, com o atenuante de que ainda faltam 21 jogos a serem disputados.

Nesta quinta-feira, o adversário é o Internacional, e a partida será no Estádio Independência, em Belo Horizonte. É a hora da torcida cruzeirense agir mais uma vez.

O Independência deve receber lotação máxima. Os cruzeirenses prometem apoio incondicional, do começo ao fim do jogo.

O capitão Fábio valoriza o papel do torcedor e espera retribuir dentro de campo.É fundamental.

Pelo momento que vivemos, o torcedor é o maior patrimônio. Não acreditar que
podemos sair dessa situação se torna um espelho dentro do campo.

Jogador com
ansiedade de fazer o melhor acaba escolhendo a pior jogada. Precisamos do nosso
torcedor, dando apoio sim.

– É fundamental. Pelo momento que vivemos, o torcedor é o maior patrimônio.

Não acreditar que
podemos sair dessa situação se torna um espelho dentro do campo. Jogador com
ansiedade de fazer o melhor acaba escolhendo a pior jogada.

Precisamos do nosso
torcedor, dando apoio sim. Temos que fazer do nosso mando de campo o lugar não favorável
para o adversário, dando força para os jogadores que vão estar em campo para
fazer a melhor jogada em conseguir a vitória.

Para Bruno Rodrigo, o grito que vem das arquibancadas é sentido na pele e realmente serve de estímulo para os atletas quando a bola rola.- Ajuda
com certeza.

Ajuda muito o apoio da torcida, é de muito valor para nós jogadores. Foi assim 2013 e 2014, com a torcida nos apoiando.

Fizemos muitos gols com a ajuda deles, o começo do jogo com a ajuda da torcida é fundamental. A gente pede que a torcida nos ajude, é importante pra gente o apoio deles na quinta-feira.

Cruzeiro e Internacional se enfrentam às 21h (de Brasília) desta quinta-feira, no Independência, em Belo Horizonte.
.

Fonte: Globo Esporte