Passar noventa minutos sem tomar um gol. Não parece uma tarefa tão complicada, mas o Cruzeiro não conseguia ficar uma partida sem tomar gols há algum tempo. Para ser mais preciso, foi no dia 22 de junho, há pouco mais de dois meses, na partida contra a Ponte Preta – vitória por 4 a 0, no Moisés Lucarelli, pela décima rodada do Campeonato Brasileiro.

Por isso, o zero no placar do triunfo por 2 a 0 (veja os melhores momentos no vídeo acima) sobre o Santa Cruz, na manhã deste domingo, foi tão importante para o treinador Mano Menezes. – No segundo tempo abrimos uma vantagem de 2 a 0 cedo, o que deu
tranquilidade, estamos felizes por isso, era importante demais
vencer.

o acréscimo “plus” é a equipe não sofrer gols, e precisamos de
jogos assim. Pode até sofrer um pouco, porque o nível é alto, mas precisamos retomar a confiança defensiva, de não sofrer gols.

Isso é
importante demais para a sequência.  Nesta temporada, o Cruzeiro amarga uma retrospecto ruim dentro de casa, por isso Mano também ressaltou como é bom reencontrar a vitória como mandante, ainda mais em um jogo com o apoio de quase 50 mil torcedores no Mineirão.

– É muito bom voltar a vencer em casa. Parece meio paradoxal, porque sempre o mandante leva muita vantagem no futebol brasileiro.

Nossa equipe vinha tendo várias dificuldades, foi no primeiro na empolgação, com o torcedor empurrando. Desperdiçamos muitas oportunidades de construir jogadas com mais qualidade, embora tinha o domínio do jogo.

Sempre é um jogo perigoso, tínhamos estudado e vimos méritos. Neutralizamos bem os lados, no primeiro tempo teve a bola que o Léo Moura estourou no travessão.

Depois a bola com o Grafite. Veja o restante da entrevista coletiva de Mano Menezes, após a vitória sobre o Santa Cruz:

Lateral treinador no segundo gol? 

 

 

– Não vamos inventar uma coisa que a gente não faz.

Quando você ganha, pode
inventar a  história, mas a gente não treinou
isso, e eu defendo que no futebol temos que ser sinceros e estarmos sempre atentos
ao detalhes, o jogador que tem a sensibilidade de fazer isso, como o Sobis,
aproveitou a situação e fizemos um 2 a 0 da volta do segundo tempo. O
adversário sentiu o primeiro gol e quando ele está nas cordas, tem que
aproveitar.

Afobação- O jogo estava sendo jogado de forma dura, e passamos muitas situações de
jogo. Pedi no intervalo mais calma à equipe.

Saímos da palestra com ideia fixa
que não estávamos aproveitando as oportunidades. Estávamos acelerando demais as
jogadas, temos qualidade para ter mais lucidez.

É necessário um tempo ter a
bola nos pés. O Ábila entrou em impedimento umas três ou quatro vezes.

Deixa
ele entrar em impedimento, só não joga bola nele. Vai entrar um segundo e podemos
lançar.

Tem que saber tirar proveito disso. E o Ábila também não precisa sempre
em profundidade, apesar dele ser um jogador com essas características.

Evolução com parcimônia- O fator positivo é a produção da equipe que mudou. Esse é o caminho de
ambicionar resultados diferentes.

Ter uma produção de equipe que de esperança
no torcedor e confiança na gente,  de que as coisas estão caminhando de
forma diferente. Essa a ideia a equipe já tem.

Entende melhor o jogo, é
fundamental para vencer. Entender que você nem precisa construir 20, 25
oportunidade gol, pode construir 15, mas você tem que ser uma equipe equilibrada.

construir menos para ter segurança na recomposição. Podemos usar jogo do
primeiro turno contra o Santa Cruz, lá, como exemplo.

Em dez jogadas puxando o
contra-ataque pelo lado direito, hoje não demos nenhum. Nosso acabamento de
jogada pode melhorar.

Mas a tranquilidade é fundamental para melhorar, você não
melhora perdendo. Com os jogadores sendo menos cobrados, o torcedor sendo mais
compreensivo.

Lucas, Romero ou Cabral: quem sai?- Tem que comemorar a vitória. Vamos comemorar primeiro, o mais importante é
isso que eu falo aos jogadores, você coloca o jogador para jogador para jogar e
diz que está dando oportunidade.

Mas, às vezes, você não está dando
oportunidade, está desperdiçando a trajetória de um jogador promissor. Agora todos
os jogadores vão desempenhar bem, ganhar confiança credibilidade.

Melhorar o
que eles têm como ambição pessoal. Essa é minha meta como treinador, dar uma organização
para a equipe.

Elenco forte- A parte mais importante é a recuperação de todos os jogadores. Há um mês a
atrás a gente não falava de um elenco forte, hoje, felizmente, estamos falando
disso.

Todos eles têm um papel no elenco, uns serão mais usados, porque essa é
a realidade futebol, o jogador tem que saber que ele titular. O segundo tem
saber que ele tem que lutar par atirar o lugar do que esta a frente dele.

Eu
trabalho com transparência, quem estiver bem vai iniciar mais jogos e os outros
vão respeitar, dentro dos valores que eu acredito.
.

Fonte: Globo Esporte