Aos poucos, o Cruzeiro vai transformando o crescimento do time em campo, com as boas atuações após a chegada de Mano Menezes, em resultados, e a equipe vai saindo da zona de rebaixamento Neste domingo, a vitória de 2 a 1 sobre o Figueirense (veja os principais lances no vídeo acima), no estádio Orlando Scarpelli, em Florianópolis, e, pelo menos, vai dormir fora do Z-4, na 16ª colocação. Para confirmar a colocação ao final da 21ª rodada do Campeonato Brasileiro, será preciso que o Corinthians vença o Vitória, nesta segunda-feira, na Arena Corinthians, em São Paulo.Certo é que o resultado, e a atuação do time em território catarinense, diante de um concorrente direto na briga contra a queda para a Série B, deixaram o técnico Mano Menezes mais animado e otimista com o futuro da Raposa na competição.

Ele só não quer o time acomodado.- A gente veio aqui fora da zona dar uma respiradinha, ver
como está o ar.

Acho que os jogadores vão gostar, nós todos vamos gostar, e a
gente pretende ficar aqui fora em todo o restante do campeonato. Se não
pudermos até a próxima rodada, mas teremos o que fazer para uma condição
melhor.

Mas não podemos nos acomodar. Sabemos que precisamos melhorar.

O que
produzimos foi uma pequena melhora em termos de alguns fundamentos, mas o
Cruzeiro tem jogadores capazes de produzir mais. Temos que exigir mais de nós
mesmos, não podemos nos acomodar, pois logo logo podemos parar de crescer.

Temos o que crescer muito ainda.Por tudo isso, questionado se a disputa do Cruzeiro neste Brasileirão vai mesmo se resumir à luta contra o rebaixamento, Mano, ainda de forma contida, diz que vai depender de quantas rodadas o time vai precisar para ficar em situação mais tranquila quanto ao Z-4.

– Sempre digo que você precisa fazer aquilo que é preciso
fazer naquele momento. O que temos que fazer agora é sair dessa situação.

E vou
repetir uma frase que disse no ano passado: o que vai determinar se temos que
ambicionar mais ou não é a velocidade que vamos sair (do Z-4). Mas que nós
vamos sair, vamos sair (do Z-4).

Confira outros temas da entrevista coletiva de Mano Menezes:Vitória fora contra um até então invicto Figueirense- Falei com os jogadores depois do jogo com o Coritiba, que a
gente tinha deixado escapar uma vitória, embora a gente tenha merecido vencer,
que tínhamos que estar preparados para fazer pontos e construir vitórias fora
de casa também. Conseguimos, num lugar onde os adversários não tinham vencido
até então, isso qualifica a nossa vitória, com um bom desempenho da equipe, que
só sofreu no final, quando parou de jogar um pouco.

Isso não pode, tocar a bola
sem objetividade. Dá moral para o adversário, que reanima.

Imagina se deixa
escapar um resultado desses e termina em 2 a 2? Íamos ficar com aquela cara que
não tem conserto. Os jogadores estão de parabéns, entenderam tudo o que
precisávamos fazer, da maneira que tínhamos que ser mais simples aqui, hoje, e
por isso construímos a vitória.

Estamos muito contentes, e eu, principalmente.Quarto jogo seguido sem derrota- A gente não pode escolher contra quem vamos pontuar.

Não faz
diferença a pontuação se é contra um time da parte de baixo ou da parte de cima
da tabela. Nós temos é que pontuar.

Se pudermos pontuar sempre, é bom. Se
pudermos somar três pontos, melhor ainda.

Mas sabendo que não somos uma das
equipes de melhor produção dentro do campeonato. Então, vamos ter resultados
negativos, temos que entender que é assim o Campeonato Brasileiro.

Mas a equipe
vai ganhando confiança, ganhando moral. Hoje fez coisas boas, muito boas, na
partida, e essas coisas boas podem nos aproximar de uma sequência maior de
vitórias, e a de hoje faz parte dela.

Atuação do time em Santa Catarina 

Gostei da equipe como um todo. Não vou individualizar
análise, porque não é o meu estilo de analisar o jogo.

Acho que quem faz
análise individual, elogia e critica, são vocês (jornalistas). Faz parte do
trabalho de vocês.

O meu é, internamente, ir consertando as coisas que penso
que podemos consertar, e ir dando uma diretriz dentro de uma filosofia e do jeito
que vejo o futebol. Tenho certeza que o Cruzeiro tem jogadores de qualidade
para que essa filosofia se transforme  numa
reta de segundo turno de campeonato muito mais produtiva do que tudo o que
vinha acontecendo.

Rendimento e equilíbrioTodos os resultados são importantes. O Cruzeiro vinha
criando muito na competição, antes da minha chegada.

Então, não era por falta
de criação que o Cruzeiro não vinha fazendo seus gols. Mas, por mais paradoxal
que seja, a bola não vinha entrando.

E, ao mesmo tempo que você cria, cria,
cria e não faz, você permite que o adversário aproveite as oportunidades que
tem. Foi a primeira coisa que trabalhei com os jogadores, e disse publicamente
aos torcedores, que vamos criar um pouquinho menos, nos expor menos, pois toda
vez que você está criando ofensivamente, você se desorganiza defensivamente.

Não
que eu queira que a equipe crie menos, mas temos que dar menos (chances) para o
adversário. O Cruzeiro passou a dar menos, e hoje, por um detalhe, depois de
muito tempo, não encerra uma participação sem sofrer gols.

Isso me deixa
contente. Vejo futebol desta forma, e gosto que a equipe se organize pensando
assim.

.

Fonte: Globo Esporte