A boa sequência do Cruzeiro foi interrompida com a derrota por 3 a 2 para a Chapecoense, na noite desta quarta-feira, em Chapecó (veja os melhores momentos no vídeo acima). O resultado fez o time se aproximar novamente da zona de rebaixamento do Campeonato Brasileiro, com 14 pontos, apenas dois acima do Sport, primeiro time do Z4. A principal explicação pelo resultado está em um jogador ou na falta de um: Henrique.

 O Cruzeiro sentiu muito a falta dele, que deixou o campo aos 17 minutos do primeiro tempo, após levar uma pancada na cabeça. Henrique foi encaminhado a um hospital de Chapecó e pernoitou, sob observação.

Ele teve alta e se juntou à delegação do Cruzeiro e também retorna ainda hoje a Belo Horizonte. O aproveitamento dele no jogo de domingo, contra o Vitória, ainda será decidido pelos médicos do clube.

No momento que o jogador saiu, o Cruzeiro vencia a partida por 1 a 0, mas caiu muito de produção e sentiu a falta do volante, tanto na marcação, quanto na organização de jogadas. O substituto, Federico Gino, mais uma vez foi muito mal e não conseguiu ser útil em nenhuma das funções que tinha em campo.

Com isso, Lucas Romero ficou sobrecarregado, e Arrascaeta e Bruno Ramires tiveram que se preocupar muito mais em defender do que em atacar.Com Gino em campo, o Cruzeiro piorou.

Não conseguiu ter a posse de bola e recuou demasiadamente, chamando a Chapecoense para cima de si. O resultado da pressão foi o gol de empate, que acabou tornando o placar do primeiro tempo justo.

Na volta, o panorama do jogo permaneceu o mesmo, com o Cruzeiro recuado, praticamente com os 11 jogadores atrás da linha da bola, passivamente esperando o adversário. A virada da Chapecoense não demorou, com um gol de falta de Arthur Maia.

LEIA MAIS>>> Ambição, atenção e concentração: o que faltou para o Cruzeiro, segundo Bento>>> Rafael Sobis e Ramón Ábila já treinam na Toca da RaposaAtrás no placar, o técnico Paulo Bento tomou uma medida ousada. Mandou o zagueiro Fabrício Bruno se enfiar no meio da defesa da Chapecoense e pediu para o time lançar várias bolas para a área.

A estratégia maluca acabou dando certo e Fabrício Bruno empatou o jogo. A derrota, no entanto, não foi evitada.

No finalzinho do jogo, os três piores jogadores do Cruzeiro em campo acabaram falhando coletivamente e a Chape marcou o terceiro gol. Num lançamento para a intermediária, Bryan deixou Bruno Rangel cabecear para a área.

Gino e Lucas vacilaram, e Kempes não perdoou, dando números finais à partida.Apesar de não estar ligado diretamente ao setor ofensivo, Henrique já tinha feito a diferença nas vitórias sobre Ponte Preta (marcou um gol e foi o dono do meio de campo) e Palmeiras (quando foi o principal responsável por anular as investidas do adversário).

O volante, que não vinha bem na temporada, cresceu muito com o técnico Paulo Bento e tornou-se essencial para o esquema tático.Para a próxima partida, contra o Vitória, no Mineirão, domingo, às11h (de Brasília), Henrique volta ao time.

Com isso, Romero e Arrascaeta tendem a crescer, o coração da equipe volta a funcionar, e a tendência é que o Cruzeiro volte a repetir o futebol que o permitiu vencer Ponte Preta e Palmeiras.
.

Fonte: Globo Esporte