Em julgamento realizado na noite desta terça-feira no Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD), o treinador do Cruzeiro, Paulo Bento, foi apenas advertido por causa da discussão protagonizada com o então técnico do América-MG, Givanildo Oliveira, no clássico entre as duas equipes no final do mês passado pelo Campeonato Brasileiro. Assim, ele poderá dirigir a equipe no clássico com o Atlético-MG, no próximo domingo, às 16h (de Brasília), no Independência, pela sétima rodada.O treinador foi enquadrado no artigo
258 do CBJD (Código Brasileiro de Justiça Desportiva) que fala em
“assumir qualquer conduta contrária à disciplina ou à ética
desportiva não tipificada pelas demais regras do código”.

A suspensão
poderia ser de uma a seis partidas. Entretanto, Bento só foi advertido.

Na súmula divulgada pela CBF da oartuda, o árbitro
paraense Dewson Fernando Freitas da Silva relatou o episódio entre os dois treinadores:- Expulsei, aos 45 minutos do 2º tempo, o
treinador da equipe Cruzeiro E.C.

, Sr. Paulo Jorge Gomes Bento, por sair da sua
área técnica e ir em direção ao 4º árbitro da partida, Sr.

Igor Junio
Benevenuto, reclamando de maneira acintosa da arbitragem, proferindo as
seguintes palavras: “Só 4 minutos de acréscimos, ele esta louco”. Neste
momento, o mesmo foi em direção ao treinador do América E.

C. e proferiu as
seguintes palavras: “Vai se f.

..

, seu p..

.”.

Informo que o treinador
do América F.C, Sr Givanildo José de Oliveira, também foi expulso, por sair de
sua área técnica, ir em direção ao treinador do Cruzeiro E.

C. e proferir as
seguintes palavras: “vai se f.

..

seu babaca, está querendo tumultuar o
jogo, m..

.”.

Neste momento, iniciou-se um principio de tumulto, onde foi
expulso o preparador físico da equipe América E.C.

, Sr.Wellington José Vero,
por proferir as seguintes palavras ao treinador do Cruzeiro E.

C.: “Vai se
f.

..

, vai tomar no seu c..

., babaca”, fatos esses relatados pelo 4º
arbitro Igor Junio Benevenuto, que estava próximo do acontecido.

A
discussão começou quando Paulo Bento reclamou com o quarto árbitro da
partida, Igor Junio Benevenuto, a respeito do tempo de acréscimo dado.
Givanildo Oliveira e o preparador físico Wellington Vero, do América-MG,
não gostaram da reclamação e começaram a discutir com o técnico
português, paralisando o jogo.

O fato causou a expulsão dos dois
técnicos e do
preparador ao fim do segundo tempo (confira no vídeo abaixo).  
.

Fonte: Globo Esporte