É um assunto polêmico, mas os números podem significar muito no futebol. Ou não. Neste Campeonato Brasileiro, o Cruzeiro venceu a primeira, contra o Botafogo na última quarta-feira, em Brasília.

Mas quem acredita que o time de Paulo Bento engoliu o alvinegro carioca, está enganado. A Raposa teve os piores números em um jogo da competição nacional, se for comparado com os outros jogos da equipe.

Isso mesmo, na primeira vitória os números foram piores que nas derrota para o Santa Cruz e do que nos empates contra o América-MG e Figueirense. O Cruzeiro enfrenta o São Paulo neste domingo, às 18h30 (de Brasília), no Mineirão, pela sexta rodada do Campeonato Brasileiro.

O time celeste tem cinco pontos na competição nacional e está na 14ª colocação na tabela. Posse de bolaO Cruzeiro é um time que gosta de ter a bola nos pés.

Teve mais posse que o adversário em todas as partidas do Campeonato Brasileiro, mas, justamente, na partida em que venceu teve o pior número. No primeiro jogo sob o comando de Paulo Bento, no empate em 2 a 2 contra o Figueirense, a Raposa teve 62% da posse contra 38% dos catarinenses.

Na derrota por 4 a 1 para o Santa Cruz foi 61%, e no empate contra o América-MG de 63%. No vitória contra o Botafogo, foram 54% de posse de bola, números menores.

Posse de bola- Cruzeiro 62% x 38% Figueirense – Santa Cruz 39% x 61% Cruzeiro- Cruzeiro 63% x 37% América-MG- Botafogo 46% x 54% Cruzeiro O comentarista do SporTV, Henrique Fernandes acredita que essa mudança se deve às circunstâncias do jogo. Foi a primeira partida, sob o comando de Paulo Bento, que a Raposa saiu na frente do placar.

  – Porque foi a primeira vez que o Cruzeiro saiu na frente do placar. Então sem a necessidade de buscar uma virada, de reverter, o time tende a assumir uma postura mais conservadora e jogar no erro do adversário.

Isso implica em deixar o adversário mais tempo com a bola, recuar e sair em velocidade, explorando espaços. FinalizaçõesO Cruzeiro é um time que finaliza muito, mas em compensação tem um baixo aproveitamento com relação aos gols.

Na estreia de Paulo Bento, contra o Figueirense, foram 18 finalizações contra 12 do time catarinense. Contra o Santa Cruz subiu para 21 chutes a gol.

Contra o América-MG, 23. Na partida contra o Botafogo, que o Cruzeiro venceu o Botafogo, os números caíram para 15 finalizações.

Em todos os jogos a Raposa finalizou mais que seus adversários. Finalizações- Cruzeiro 18 x  12 Figueirense – Santa Cruz 09 x 21 Cruzeiro- Cruzeiro 23 x 05 América-MG- Botafogo 09 x 15 CruzeiroHenrique Fernandes acha que esta estatística pode ser um reflexo da menor posse de bola, apesar do time ter mantido um nível de regularidade nos chutes a gol, no primeiro tempo contra o alvinegro carioca.

– É um reflexo da menor posse bola, isso levou o time a criar menos oportunidades, sobretudo na segunda etapa. No primeiro tempo, o time manteve uma boa média de finalizações, condizente com a dos outros jogos, mesmo depois do gol de Élber.

 Depois do São Paulo, o Cruzeiro segue com uma sequência difícil. Já
emendando o o clássico com o Atlético-MG, marcado para o Independência,
mas que pode ser alterado para o Mineirão, o Flamengo, no Gigante da
Pampulha e Grêmio, na Arena do Grêmio.

O treinador do Cruzeiro espera
que seus comandados consigam manter a boa atuação que o time tem feito
no primeiro das partidas, além de aproveitar as chances de gol. (*) colaborou o comentarista do SporTV, Henrique Fernandes
.

Fonte: Globo Esporte