Nem Robinho, nem Fred, nem Clayton, nem Prattomarcelo oliveiraÀs vésperas do maior clássico de Minas, os torcedores do Cruzeiro olham para o elenco do maior rival e veem personagens que foram objeto de desejo da diretoria celeste recentemente. Sonho antigo da Raposa, Fred acaba de acertar com Atlético-MG. No ano passado, o Cruzeiro havia feito uma proposta imbatível por Robinho, que foi parar na Cidade do Galo nesta temporada.

Hoje também no maior rival celeste, Clayton e Lucas Pratto também foram cobiçados pela alta cúpula celeste, mas fecharam com o alvinegro. No entanto, essa disparidade quando o assunto é contratação tem uma explicação.

O Cruzeiro, atualmente, apresenta um modelo de gestão financeira muito cauteloso, já que está se adequando suas finanças ao Profut, Programa de Modernização do Futebol Brasileiro
(Profut), que prevê o refinanciamento da dívida dos clubes e uma readequação das finanças para poder continuar no programa. Essa adequação não é à toa.

O Cruzeiro demonstrou estar com dificuldades financeiras em dois casos, pelo menos. O primeiro foi no atraso do pagamento das parcelas da compra do uruguaio Arrascaeta, contratação ocorrida em 2015, e também do argentino Pisano, que veio para este ano.

Entretanto, quando aliviou as contas, logo quitou os atrasos. Além disso, adotou o discurso de se reinventar, para driblar as dificuldades e trazer reforços.

Os nomes que chegaram não foram de peso, mas a diretoria mostrou-se confiante no sucesso de todos que chegaram.Entretanto, a diretoria está no mercado em busca de reforços que cheguem para ser titular.

 Os anúncios deverão ocorrer após nas próximas semanas, já que o foco das contratações é no mercado internacional e só será possível registrar jogadores que vêm de fora do país a partir de 20 de junho, quando a janela de transferências para o Brasil será aberta. O atacante Rafael Sóbis, atualmente no Tigres, do México, é um dos alvos e tenta a liberação para acertar com a Raposa.

LEIA MAIS>> Cruzeirenses analisam presença de Fred no clássico: “Não muda nada”O atual elenco do Cruzeiro têm 10 jogadores que foram contratados para a temporada. Os laterais Lucas e Bryan, os volantes Lucas Romero, Marciel, Federico Gino, os meias Bruno Nazário, Matias Pisano, Robinho, e os atacantes Douglas Coutinho e Rafael Silva.

O argentino Sánchez Miño, que também foi um reforço para o ano, já rescindiu com o clube celeste e deixou a Toca da Raposa. Entre os jogadores, apenas Romero conseguiu se firmar entre os titulares.

Robinho também caminha para isso.  
A entrada do clube no Profut,
de acordo com o texto sancionado no ano passado, prevê que o gasto com a
modalidade de empréstimo pode ser de até 80% da receita bruta obtida, além de
alterações nas regras de redução de déficit financeiro aplicadas.

Por isso, os
acordos de empréstimo têm modificado. Em vez de o Cruzeiro pagar boa parte ou
até todo o salário de um jogador que irá atuar em outro time, o clube não ajuda a pagar as parcelas.

 

No início do ano, o Cruzeiro explicou que tinha o plano de aliviar folha
salarial. Prova disso foram a não renovação dos contratos de jogadores como Júlio
Baptista, Ceará, Charles e Leandro Damião e Dagoberto, entre outros.

Essas medidas fizeram com que o clube economizasse cerca de R$ 3 milhões com o
futebol profissional.01Nem Robinho, nem Fred, nem Clayton, nem PrattoO sonho de repatriar Fred para o Cruzeiro é antigo nos bastidores da
diretoria do clube.

O jogador fez sucesso na Raposa, em 2004 e 2005. Em
abril, a alta cúpula celeste teria buscado a contratação do atacante, que já jurou amores à torcida cruzeirense, mas se
assustou com os valores.

No entanto, ainda em 2013, sob a gestão de Alexandre
Mattos na diretoria de futebol, o Cruzeiro declarou interesse no camisa 9, mas
as negociações não avançaram. Após desistir da negociação, o clube foi atrás
de Marcelo Moreno, que acabou por ser o centroavante do título brasileiro de
2014 e teve ótima passagem na Toca da Raposa.

 

A contratação de Fred pelo maior rival, às vésperas de um clássico,
gerou revolta entre os torcedores. Ainda mais pela história e identificação que
o atacante tem com a torcida celeste.

O camisa 9 quanto atuava contra o Cruzeiro
evitava comemorar seus gols. Chegou até a declarar que o Mineirão era sua casa
e os cruzeirenses eram sua torcida.

Robinho também já foi um desejo da diretoria do Cruzeiro, principalmente, do presidente Gilvan de Pinho Tavares. Há quase um ano, a diretoria garantiu ter feito uma proposta imbatível ao atleta.

Quem disse foi o então gerente de futebol do clube, Valdir Barbosa, hoje sem clube. – O Robinho tem uma proposta do Cruzeiro.

Acho que, no futebol brasileiro, ela é imbatível. Não tem jeito de ganhar do Cruzeiro.

Agora, quando você fala de China, eles vêm de forma avassaladora para contratar jogador – disse, na época, Valdir Barbosa, quando era gerente de futebol do clube. E foi o que aconteceu.

O Guanghzou Evergrande, da China, ofereceu um caminhão de dinheiro e levou Robinho para o mercado oriental. O jogador recebia cerca de US$ 1 milhão por mês (cerca de R$ 3,13 milhões) para atuar na China.

Outro jogador que despertou o interesse do Cruzeiro, acabou por fechar
com o Atlético-MG. Uma das principais cobiças dos clubes brasileiros no ano passado, Clayton teve a situação consultada pelo Cruzeiro em outubro do ano passado.

Pessoas
ligadas ao jogador foram consultadas por representantes do Cruzeiro, que
buscavam informação sobre situação contratual e financeira. No início da última temporada, Lucas Pratto também foi alvo de uma disputa entre Cruzeiro e Atlético-MG.

Artilheiro e destaque do Vélez Sarsfield no Campeonato Argentino de 2014, o centroavante despertou mais o interesse do Galo, que fez com que o presidente Daniel Nepomuceno fosse até o país vizinho para fechar o negócio pessoalmente. 01marcelo oliveiraOutro personagem que teve marcante história na Raposa e esteve na mira da diretoria celeste, após a demissão de Deivid, também está no Atlético-MG.

No início de maio, Marcelo Oliveira, o comandante do bicampeonato celeste, em 2013 e 2014, foi procurado, mas disse não. No entanto, desta vez, o dinheiro não foi o empecilho para empacar a contratação.

Além dos desgastes naturais recentes nos bastidores do clube, Marcelo argumentou à diretoria que estava com a prioridade de ir para o futebol do exterior. Algumas semanas depois, ele fechou com o Atlético-MG.

Nesse caso, não foi uma perda para o rival, já que as negociações sequer foram abertas entre as partes.
.

Fonte: Globo Esporte