O abraço de dona Gleci fazia aquele momento ainda mais especial. A mãe, que viu Wallace ter dúvidas sobre seu futuro depois da cirurgia de hérnia de disco, comemorava a volta por cima do filho. No domingo, o oposto do Cruzeiro não escondia a satisfação de ter conseguido contribuir com 20 pontos na final contra o Campinas.

Por ter conquistado seu quarto título da Superliga masculina com a equipe mineira. Por não sentir mais dores nem medos.

– Após a cirurgia eu não imaginava que voltaria a jogar em alto nível pelo tempo de recuperação, por não poder treinar..

. Quando voltei, não fiz um Mundial bom e mesmo assim os caras confiaram em mim.

Na Copa Brasil eu senti que estava bem. As pessoas falavam para mim que ia dar tudo certo, mas eu fiquei assustado, nunca tinha operado.

Não sabia o que ia acontecer depois. E aí eu percebi que não é nenhum bicho de sete cabeças.

Hoje eu sinto dor em qualquer outro lugar, menos na coluna (risos) – disse o jogador, eleito o melhor atacante pelo segundo ano consecutivo e o maior pontuador de todas as edições, com 3.778 acertos.

O terceiro troféu consecutivo na competição (o quarto no total) e o que faltava para fechar uma temporada perfeita, veio com um quê de dificuldade.  – A cada ano as equipes se reforçam para tentar passar por nós.

Eles jogaram como esperávamos. Nós jogamos abaixo do que podíamos, principalmente nos dois primeiros sets.

Alguns times acham que mesmo se a gente jogar assim vão conseguir passar por cima. Mas não é assim.

Conseguimos reverter a situação e vencer. Falando de mim, acho que fiz uma boa temporada.

É uma das poucas vezes que falo isso. Quanto à equipe, fizemos uma temporada muito boa, um excepcional campeonato.

Agora Wallace espera ansiosamente por dois momentos: a convocação de Bernardinho e ao menos duas semanas de férias. A lista de jogadores que estarão aptos a defender a seleção na Liga Mundial e nos Jogos Olímpicos do Rio será anunciada nesta terça-feira pelo treinador.

O início da preparação está marcada para 18 de abril, e o oposto está confiante de que o Brasil voltará ao alto do pódio nesta temporada.- O pessoal fala que sou peça garantida, mas não tem isso.

Se for chamado, vou lá fazer o meu máximo, o que não consegui na Liga Mundial (ficou fora das finais por conta do problema na coluna). A gente acredita que por ter batido tanto na trave nos últimos anos algo maior deve estar nos esperando.

Não é possível! Você não tem ideia do quanto que a gente treina, e o ouro não vem. Mas com certeza agora vai ser diferente.

E em vez de bater na trave, vai entrar o gol. Nossa seleção não deve nada a nenhuma outra e talvez seja a mais completa.

 Assista aos melhores momentos da final! 
.

Fonte: Globo Esporte