Em cinco dias, duas provas de fogo. O Cruzeiro pode fazer algo que ainda não fez na temporada para que possa ter uma sequência de trabalho mais tranquila. Vencer o adversário por dois gols, em jogos decisivos.

Se vencer o Campinense, na quarta-feira, elimina o jogo da volta e ganha mais tempo para treinar. No domingo, tem que vencer o América-MG, no segundo jogo da semifinal do Campeonato Mineiro, para não ficar de fora da final do Estadual pelo segundo ano consecutivo.

O que pega é que, em 15 jogos oficiais na temporada, a Raposa só venceu duas vezes por dois ou mais gols de diferença, contra o Uberlândia e contra o Guarani-MG. Ou seja, um feito, raro, realizado em apenas 13% dos jogos da temporada.

O primeiro desafio é o Campinense, nesta quarta-feira, às 21h45 (de Brasília), no estádio Amigão, na cidade de Campina Grande, na Paraíba. O adversário tem sido considerado a sensação do Nordeste, com uma equipe que tem colecionado boas atuações.

No final de semana, eliminou o poderoso Sport, de Paulo Roberto Falcão – que inclusive foi demitido com a derrota – e carimbou a vaga para a final da Copa do Nordeste. São duas competições diferentes, mas temos que ter o mínimo de erros
possíveis para classificar nas duas.

É ter a cabeça boa para fazer os
dois gols e, quem sabem, matar o jogo da volta.Não existe uma necessidade do Cruzeiro vencer a partida por dois gols de diferença.

No entanto, como prevê o regulamento da Copa do Brasil, se o visitante – no caso o time mineiro – vencer o primeiro jogo por dois ou mais gols de diferença, elimina o jogo da volta. Apesar de pregar respeito e cautela com o adversário, os jogadores e a comissão técnica do clube celeste não escondem que eliminar o segundo jogo seria importante para que o time possa ter mais tempo de descanso, e para poder treinar na Toca da Raposa.

O meia Alisson explica que são dois jogos em que o Cruzeiro busca os dois gols, porém, em competições e com objetivos diferentes.  – São duas competições diferentes, mas temos que ter o mínimo de erros possíveis para classificar nas duas.

É ter a cabeça boa para fazer os dois gols e, quem sabe, matar o jogo da volta. Em 2013, o Cruzeiro venceu o CSA, de Alagoas, por 3 a 0, na primeira fase, eliminando o jogo da volta.

Em 2014 e 2015, o clube já entrou na fase das oitavas de final, onde o regulamento de eliminar o jogo da volta não é considerado. Em 2012, também na primeira rodada, O Cruzeiro goleou o Rio Branco, do Acre, por 6 a 0, eliminando o jogo da volta.

Acaba o jogo contra o Campinense, a chave vira para o Campeonato Mineiro. E, aí sim, o confronto é de vida ou morte.

É vencer o América-MG, no domingo, no Mineirão, às 16h, pelo segundo jogo da semifinal ou dar adeus à competição estadual. O Coelho venceu o jogo de ida por 2 a 0, no Independência, mas o Cruzeiro tem a vantagem de se classificar com uma vitória e uma derrota pela mesma diferença de gols, porque fez melhor campanha na primeira fase.

No Campeonato Mineiro, o Cruzeiro venceu por dois ou mais gols de diferença apenas contra Uberlândia e Guarani-MG. Claro que as circunstâncias eram outras.

Nessas oportunidades, a Raposa não entrava em campo pressionada, necessitando que o ataque rendesse para conquistar um objetivo específico. Contra a equipe do Triângulo Mineiro foi 3 a 0 (relembre no vídeo abaixo), no Mineirão, com gols de Bruno Rodrigo, Ariel Cabral e Lucas Romero.

Os três devem estar em campo no jogo contra o Coelho. Contra o Guarani-MG, também no Mineirão, o time celeste venceu por 2 a 0, com gols de Alisson e Sánchez Miño.

  Resumo da ópera, o transatlântico do Cruzeiro vinha navegando em águas tranquilas, com a liderança isolada da primeira fase do Mineiro. Mas terá uma semana com águas agitadas, em que duas vitórias, contra o Campinense e América-MG, podem deixar o capitão Deivid e os tripulantes do elenco com tranquilidade para seguir viagem.

 
.

Fonte: Globo Esporte