Se Guilherme ainda não conseguiu
deslanchar como um meio-campista de criação, Tite encontrou uma alternativa tática
para que o Corinthians não sofra tanto no ataque. Vivendo provavelmente sua
melhor fase na carreira, o lateral-direito Fagner virou peça-chave no Timão com uma alteração de posicionamento feita pelo treinador recentemente. 
Com o Corinthians tendo a posse da bola, o jogador se adianta para a linha central do gramado e se transforma em mais uma opção.

Ou
seja, passa a ser o primeiro jogador aberto pela direita no campo ofensivo, posicionado na
mesma direção de Elias e Guilherme, outros dois com a função de chegar ao setor
ofensivo. A alteração, na visão de Tite,
permite que Giovanni Augusto possa circular com mais liberdade pelo ataque, como acontecia no Atlético-MG.

Com
isso, o meia não tem a obrigação de se posicionar quase como um ponta pela
direita e pode rodar pela parte central para auxiliar Guilherme, ainda em fase
de adaptação na função.Do outro lado do campo, Lucca também
desempenha um papel importante.

O atacante é orientado a ficar bem aberto pela
esquerda, aparecendo na área para concluir em bolas cruzadas. Para Tite, o posicionamento dos dois lados abre a defesa adversária e
permite que os meio-campistas tenham mais liberdade para construir as jogadas.

 Na imagem abaixo, é possível notar
como a engrenagem funcionou no gol de empate diante do Santa Fe, em Bogotá.
Giovanni Augusto deixou o lado direito e iniciou a jogada pelo meio.

Fagner
recebeu a bola na frente e tocou para Guilherme, que encontra Elias com liberdade na
área para deixar tudo igual. Assista aqui!– Vai de acordo com o jogo.

Você
receber a bola na frente dá um pouco mais de espaço para jogar e acaba abrindo
a linha defensiva do adversário. O Giovanni é um jogador de mais criação e fica
com essa liberdade.

Precisamos sempre buscar alternativas para a equipe não ser
previsível – afirmou Fagner.Tite quer mais ainda.

O lateral-direito também vem sendo orientado para, em alguns
momentos, atuar como um ponta. Isso aconteceu na vitória por 3 a 0 sobre o São
Bernardo.

Após a expulsão de um jogador do time do ABC, Fagner foi liberado
para o ataque e brilhou. Foram duas assistências e uma ótima atuação.

A busca do técnico por alternativas
tem um motivo: Guilherme. Apesar de ter atuado como meio-campista em alguns
momentos no Atlético-MG, o jogador ainda sofre, sobretudo quando precisa voltar
até o campo de defesa para iniciar as triangulações, papel exercido por Renato
Augusto no ano passado.

 – Guilherme
está se adaptando. Deem tempo para a equipe se ajustar.

A hora que conseguir
ajustar a abertura maior do Fagner, o Giovanni pelo centro, vamos conseguir
criar mais – explicou o comandante. Se Guilherme ainda não é Renato Augusto, Giovanni Augusto aos poucos tenta ser como Jadson.

O baixinho tinha no ano passado uma função parecida: receber a bola na direita e se movimentar pelo meio para construir as jogadas. Agora, seu sucessor busca fazer o mesmo para confundir a marcação adversária.

Tite não quer nem ouvir falar em comparações com o time campeão brasileiro, mas, pelo menos na teoria, a ideia continua a mesma.
.

Fonte: Globo Esporte