Um dos jogadores mais regulares do Flamengo em 2016, Willian Arão não teve um sábado feliz em Juiz de Fora (MG). Errou passes, perdeu bolas e sofreu com a marcação, principalmente a de fora do gramado. Indignada com a saída conturbada do jogador do clube na virada do ano para defender um dos maiores rivais, a torcida do Botafogo fez uma perseguição implacável ao atleta no reencontro.

Assim como a trinca de volantes alvinegra, os torcedores ficaram no cangote do adversário e pareceram o deixar desestabilizado com vaias, ofensas e provocações. Tanto que, apesar de ter participado do gol de empate do Rubro-Negro, ele teve atuação discreta no Estádio Municipal Radialista Mario Helênio e não quis dar entrevistas tanto dentro quanto fora de campo.

“Arão, vai se f..

., meu Botafogo não precisa de você” foi um muitos gritos dos alvinegros, que dividiram o estádio com a torcida do Flamengo.

Em campo, Arão ouviu tudo em silêncio e não respondeu às provocações. Parecia evitar olhar para a arquibancada destinada aos botafoguenses.

No gramado, tentou tratar como um jogo qualquer, mas antes de a bola rolar foi falar com os jogadores alvinegros e o técnico Ricardo Gomes, com quem trabalhou em 2015. Após a partida, ficou um bom tempo na resenha com Luis Ricardo na porta do vestiário rubro-negro e recusou pedidos de entrevistas de repórteres.

– Desde que chegou ele disse que agora é Mengão. Que nem eu
também sou.

Isso não fez qualquer diferença, não – garantiu Rodinei, que saiu em defesa do companheiro.No jogo, atuando um pouco mais recuado no primeiro tempo, pela mudança de sistema de Muricy, Arão e Cuéllar tentaram fechar mais o meio de campo.

Mas o ex-botafoguense, no início da partida, saiu errado em dois lances de perigo, deixando o Botafogo com a bola – para delírio dos alvinegros. Até mesmo a participação ofensiva de Arão nesta partida foi menor.

Apenas no fim do jogo ele conseguiu finalizar, sendo travado na área pela defesa do Botafogo. Entretanto, participou da jogada do gol de empate ao tocar a bola para Gabriel cruzar para Marcelo Cirino.

Em General Severiano é comum ouvir torcedores cantando nos treinos: “Airton, preste atenção, tem quebrar a perna do Arão”. Curiosamente, a torcida do Botafogo, que esperava ansiosa por esse reencontro e desde o início da temporada vem pedindo para Airton, que teom histórico de entradas violentas, “quebrar o Arão”, viu o seu próprio volante sair lesionado do jogo com apenas sete minutos de bola rolando.

Em entrevista em fevereiro ao GloboEsporte.com, o botafoguense disse que levava os pedidos na brincadeira e projetava um bom duelo entre eles, só que o embate precisou ser adiado.

Após conseguir se desligar do Botafogo com base em uma liminar, Arão está em litígio com o clube na Justiça e já acumula uma vitória nos tribunais. Em março, o Tribunal do Trabalho do Rio de Janeiro (TRT-RJ) considerou sem efeito a cláusula de renovação automática acionada pelo Alvinegro ao término do vínculo do jogador no fim do ano passado.

O Bota chegou a fazer dois depósitos de R$ 400 mil para disparar o dispositivo de renovação. Ambos foram devolvidos pelo atleta, que já desejava se transferir para o Flamengo.

A diretoria alvinegra recorre da decisão.
.

Fonte: Globo Esporte