planejamentotroca de técnicos elencofalta de patrocínioexcesso de blindagemO Atlético Sorocaba está rebaixado. Mesmo sem entrar em campo no fim de semana, o Galo teve sua queda confirmada com duas rodadas de antecedência, já que dois concorrentes contra a degola – Paulista e Independente – se enfrentam na próxima rodada, eliminando as chances da equipe sorocabana. Fundado em 1991 como clube de futebol, a agremiação sorocabana está de volta à Série A3 do Campeonato Paulista após 15 anos, somando agora seu primeiro rebaixamento ao terceiro escalão do futebol estadual.

 Desde que subiu à Série A2, a equipe quase sempre jogou com o objetivo do acesso e conseguiu disputar a elite estadual em quatro oportunidades, nos anos de 2004 e 2005, e teve as duas últimas passagens em 2013 e 2014. Após voltar à divisão de acesso, o que antes era uma tentativa de voltar à elite, virou uma briga contra a degola.

 Em 2015, o time escapou do rebaixamento na última rodada ao derrotar a Matonense. Para este ano, a sorte não foi a mesma.

Com apenas três vitórias, o Galo conheceu o mesmo destino de equipes tradicionais no interior, como Comercial, Noroeste, Inter de Limeira e São José, além de outros times que já passaram pela divisão após a queda. O GloboEsporte.

com lista abaixo cinco pontos que contribuíram para que o Galo voltasse à terceira divisão, todos relativos ao planejamento da equipe e interligados. 01Planejamento em cima da hora Vivendo uma crise financeira desde o rebaixamento à Série A2 em 2014, o Atlético Sorocaba desistiu de disputar a Copa Paulista 2015 alegando o planejamento para o novo ano e reforço nas competições de base.

Entretanto, os primeiros nomes contratados pelo Galo começaram a chegar apenas no fim de novembro, a menos de 60 dias da estreia, prejudicando a pré-temporada da equipe. Outro ponto foi a indefinição do treinador, confirmado apenas no dia 1º de dezembro.

 01Troca excessiva de técnicosCinco treinadores e um interino passaram pelo banco de reservas do Galo nesta edição da Série A2: Tuca Guimarães e Marcelo Frigério ainda na pré-temporada, Válter Ferreira, José Luis Drey e Márcio Bittencourt, que deixou o time horas antes do duelo contra o Batatais. Nos últimos jogos, o time foi comandado pelo treinador de goleiros Ednei Uguetto.

Apenas comparando, o vizinho Ituano possui o mesmo técnico há quase dois anos. Tarcísio Pugliese assumiu o time em 2014, durante a disputa do Brasileirão Série D.

  01elenco limitadoCom a demora para confirmar o orçamento e a comissão técnica, o Atlético Sorocaba não conseguiu contratar bons jogadores para tentar lutar pelo acesso. Com a competição mais acirrada graças ao novo regulamento, as equipes com maior poder de investimento contrataram os melhores nomes.

Quando o Galo finalmente conseguiu ir ao mercado, não conseguiu assegurar um grupo de qualidade.01Falta de patrocínio  Desde o fim da década de 1990, o Atlético Sorocaba é mantido pela Igreja da Unificação, instituição fundada pelo Reverendo Moon, que morreu em 2012.

Desde seu falecimento, o Atlético enfrenta fortes problemas financeiros, já que o repasse de verba para manter o time caiu nos últimos anos, ao mesmo tempo em que a diretoria não consegue angariar na cidade outros patrocinadores que possam dar peso ao orçamento do time. 01Excesso de blindagem  Embora tenha montado o time às pressas, a diretoria do Galo Sorocabano nunca admitiu que o objetivo do time era lutar contra o rebaixamento.

Nas redes sociais, as palavras eram de incentivo ao novo time e que poderia lutar pelo acesso. Alguns resultados de amistosos na pré-temporada chegaram a ser divulgados de forma equivocada.

 
.

Fonte: Globo Esporte