Milton Mendes tem uma carreira curta no futebol. Estudioso, é o único técnico no Brasil com quatro níveis do curso da União das Federações Europeias de Futebol, o conhecido UEFA Pro. É com esse respaldo teórico que ele chega ao Santa Cruz, após uma negociação tida como rápida, pela diretoria e pela Art Sports, empresa gerenciadora da carreira do profissional.

Milton sabe, principalmente, que tem de repetir, no Arruda, um trabalho ao qual está acostumado: reanimar a torcida e o grupo.As negociações com Milton Mendes começaram a fluir na última sexta-feira, assim que Eduardo Baptista, ex-Fluminense, rejeitou o convite, alegando questões pessoais.

Milton, em Portugal no fim de semana, recebeu a ligação de Henrique Oliveira, um dos funcionários da Art Sports.- O Santa Cruz está te procurando.

Quer voltar ao Brasil? Milton Mendes tinha acertado com o Kashiwa Reysol-JAP, em outubro do ano passado. Apesar do pouco tempo em terras japonesas, quis voltar ao Brasil e disputar, de novo, uma Série A.

O distrato com o antigo clube foi rápido. Travou um pouco, a negociação com o Santa Cruz, a questão financeira.

Milton, no entanto, topou reduzir salário para se adequar ao bolso do clube. Segundo informações apuradas pelo GloboEsporte.

com, o treinador deve receber pouco mais de R$ 170 mil. A negociação foi basicamente liderada por três nomes do Santa: Ataíde Macedo, coordenador técnico e o principal responsável das tratativas, além de Constantino Júnior, vice-presidente, e Alírio Moraes, o presidente, que entraram depois.

 SAIBA MAIS>>>Santa Cruz acerta a contratação do técnico Milton Mendes, ex-Furacão>>>Atlético-PR demite o técnico Milton Mendes após quatro derrotas seguidasNas primeiras conversas, foi passado para Milton Mendes a insatisfação da torcida. Milton se surpreendeu: “A torcida que lota estádio não está indo a campo?”.

Mas, automaticamente, comprou a ideia com base no passado recente, no Atlético-PR. Disse poder dar um jeito na situação.

O Santa Cruz está te procurando. Quer voltar ao Brasil?Comunicativo e de bom trânsito com os jogadores, Milton Mendes foi avaliado como a peça perfeita para o Santa Cruz por maior parte da diretoria, em reuniões a portas fechadas.

No Furacão, fazia apostas com os atletas para ganhar o grupo e se mantinha perto da torcida. Carisma é um forte.

Até dialogou com as organizadas do Atlético-PR e fez campanha para chamar o torcedor ao estádio ao lado delas – o que não foi encarado como muito benéfico pela diretoria do Rubro-Negro paranaense. No Santa Cruz, deve colocar em prática alguns exemplos.

Outra coisa que seduziu Milton Mendes: a possibilidade de reorganizar o grupo ao fim do Campeonato Pernambucano e da Copa do Nordeste. O Santa Cruz, que acertou com a Dryworld, nova fornecedora de materiais esportivos, tem na empresa canadense um ponto forte para contratar reforços.

Para a Série A, foram prometidos pelo menos quatro nomes conhecidos. Dentro de campo, nada deve mudar porque Milton tem carta branca.

Chega ao Recife com um auxiliar técnico e um preparador físico. Adota, inclusive, esquemas semelhantes aos quais o Santa Cruz atua – 4-1-4-1 e 4-2-3-1.

O conceito de aproximação das linhas defensivas e saída rápida de bola são as maiores necessidades do time, segundo a direção de futebol. Sendo assim, pelo menos a princípio, Milton caiu como uma luva.

Os diretores e vários conselheiros acompanharam, pelas redes sociais, a aceitação do nome. Xeque-mate.

.

Fonte: Globo Esporte