Não há como negar. Clássico-Rei é o maior espetáculo do futebol cearense. Sem novidades até aí.

Mesmo com o recorrente cenário de violência nas últimas edições do confronto, a beleza do embate entre as duas maiores forças do futebol local é flagrante. Neste domingo (27), no segundo Clássico-Rei da temporada, a torcida voltou a fazer o que se espera dela.

Das arquibancadas, promoveu um espetáculo na Arena Castelão. Gritou, empolgou e vestiu a camisa 12 durante os noventa minutos.

>>> Confira como foi o tempo real de Ceará x FortalezaAntes de a bola rolar, do lado de fora, a chegada das torcidas foi mais tranquila que no clássico anterior. Mesmo com apreensão de bombas e drogas antes de a bola rolar, os torcedores chegaram tranquilos ao estádio.

Alguns até “escoltados” pela polícia, diga-se. No entanto, diferente do que ocorreu no primeiro Clássico-Rei de 2016, não houve tumulto.

 Quando um carro com uma bandeira do Horizonte passou próximo à entrada dos alvinegros, houve quem confundisse com as cores do rival Fortaleza. No entanto, os próprios torcedores do Vovô “blindaram” o veículo para que não houvesse confusão.

Ponto para o torcedor que vai ao estádio assistir futebol. Dentro da Arena Castelão, outro bônus na contagem.

A torcida manteve um comportamento exemplar. Digno do que se espera dos apreciadores do futebol.

Se o Ceará começou melhor na partida, a torcida do Fortaleza não se deixou calar. Sem cessar, apoiou o Leão em cada investida ao campo adversário.

Os alvinegros que compareceram ao Castelão não deixaram a peteca cair e também promoveram um espetáculo na arquibancada. Comemoraram primeiro quando Assisinho abriu o placar.

Depois lamentaram e viram os tricolores celebrarem a cobrança de pênalti convertida por Anselmo. Claro que houve a sempre presente “troca de gentilezas” entre alvinegros e tricolores.

Mas enquanto a provocação for apenas verbal, há jogo. Enquanto a festa for festa, não guerra, há jogo.

Em tempos em que o futebol é cercado pelo medo, pela violência, ir ao estádio e assistir, tranquilo, a um jogo de futebol, sem temer por cadeiras voadoras ou vândalos em campo, é uma conquista. A prova de que o esporte ainda encanta a gregos ou troianos, alvinegros ou tricolores, mas acima de tudo torcedores.

 
.

Fonte: Globo Esporte