Com foco total no duelo decisivo contra a LDU, pelo Grupo 6 da Libertadores, na próxima quarta-feira, Roger Machado trabalha duro no CT da seleção do Equador para adaptar o elenco do Grêmio à altitude de 2,8 mil metros de Quito. Em outra frente de atuação, no CT Luiz Carvalho, uma equipe multidisciplinar de médicos, fisioterapeutas e nutricionistas trata de garantir a recuperação de Miller Bolaños após a fratura na mandíbula, no Gre-Nal 409, em 6 de março.LEIA MAIS> Bolaños treina com bola pela 1ª após cirurgiaUm passo importante foi dado nesta sexta-feira pela manhã.

Bolaños trabalhou com bola, ao lado do elenco de transição, e ensaiou chutes e passes, sem impactos laterais com os colegas. E apresentou boa resposta, sem sentir dores.

Ainda assim, só deve ser liberado para Roger a partir do dia 20, quando completa 40 dias da cirurgia para reconstrução do osso da face, partido em duas partes.Até lá, dará sequência ao processo de recondicionamento físico.

Mesmo que tenha realizado trabalhos de fisioterapia, na bicicleta, Bolaños perdeu cerca 10% de sua massa muscular no período inoperante. Ainda mais magro, já recuperou três dos seis quilos perdidos.

É neste ponto, inclusive, que reina um empecilho. O jogador segue sem poder ingerir alimentos sólidos e tem sua alimentação regrada por uma dieta de alimentos pastosos e líquidos.

– Ele perdeu cerca de 10% de massa muscular. A gente percebe no rendimento, a gente nota que as reações são mais lentas, um pouco abaixo do que é o comum na arrancada.

Essas valências se alteram, quando se perde esse percentual – explica o médico do Grêmio Paulo Rabaldo.Como ocorre desde a cirurgia, em 10 de março, o equatoriano seguirá sob monitoramento constante do médico Marcos Collares, responsável pela intervenção cirúrgica e por reavaliá-lo semanalmente.

  Internamente, o departamento médico gremista trabalha ainda com chance remota de contar com Bolaños para o duelo contra o Toluca, que deve decidir o futuro do Grêmio na Libertadores, em 19 de abril. A tendência, porém, é de que o equatoriano esteja apto aos duelos em campo e aos impactos mais fortes apenas para as finais do Gauchão, caso o Tricolor alcance a decisão.

– Ele poderá fazer confronto no mínimo com 40 dias de recuperação, em um prazo conservador. Mas há que se levar em conta que o atleta não é um paciente comum.

Num clube de futebol, no Grêmio, o processo está pressionado pela necessidade técnica. É um pouco mais ágil porque existe toda uma infraestrutura de fisioterapia, de nutrição, que agilizam a recuperação.

Ele está num processo de ganho de massa muscular, seguindo um protocolo normal de pós-operatório – afirma Rabaldo.Bolaños retomou os treinamentos no último 22.

Então sem realizar exercícios com impacto, treinou nas bicicletas da academia, a fim de minimizar a perda de massa muscular. Com o retorno aos trabalhos com bola, antecipa a previsão médica, que projetava sua volta no dia 12 – próxima terça-feira.

 Principal reforço do Grêmio para a temporada, o atacante foi submetido a cirurgia no último dia 10, para reconstruir a mandíbula, fraturada em duas partes. Após o procedimento, o jogador permaneceu em repouso durante 10 dias e teve de esperar cerca de duas semanas até poder ingerir alimentos pastosos ou sólidos.

O jogador tem dois jogos e um tento anotado pelo clube.Confira todas as notícias sobre o esporte gaúcho em www.

globoesporte.com/rs
.

Fonte: Globo Esporte