A vida de um atacante, em suma, não é nada fácil. Contra defesas que estão ali justamente para atrapalhá-los, eles precisam usar todas as artimanhas disponíveis para se desvencilhar da marcação e balançar as redes – força física, habilidade, movimentação..

. É uma briga, no sentido literal da palavra.

Bruno Luiz está aí para não nos deixar mentir e sintetizar boa parte do que significa ser um centroavante no futebol, porque foi aos trancos e barrancos que ele chegou à artilharia do Macaé neste Campeonato Carioca.O gol que garantiu o empate em 1 a 1 com o Bonsucesso neste último domingo foi o terceiro de Bruno na competição – ele alcançou Jones e Pipico na lista de goleadores da equipe.

A finalização acabou sendo um voleio muito bonito, por sinal. Mas para chegar a ela, foi preciso uma troca de gentilezas com o zagueiro, que terminou no chão e até pediu falta no lance.

– Peguei a bola ali, num cruzamento perfeito do Jones. Eu estava trombando com o zagueiro.

Mas, graças a Deus, o gol saiu – narra o próprio.Essa saga para marcar, na verdade, não é inédita – pelo contrário: é recorrente.

No primeiro gol anotado neste Carioca, por exemplo (por coincidência, em cima do Bonsucesso também), Bruno cabeceou na trave e precisou brigar bastante para pegar o rebote e empurrar a bola para dentro de mansinho. E no segundo? O atacante recebeu de Rondinelly, tentou o passe para Jones, a bola respingou e sobrou limpa para ele, que só então balançou as redes.

– É bom estar ajudando, ajudar o grupo a conquistar coisas maiores, mas sempre com o pé no chão. Humildade prevalece para a gente conseguir conquistar essas coisas grandes na competição – afirmou.

À vontade em Moça BonitaSe for preciso apontar algum atacante que conheça os atalhos do Estádio Moça Bonita, Bruno Luiz certamente será cotado. O jogador é muito querido pela torcida do Bangu por conta dos anos que defendeu o clube.

Ele foi protagonista na conquista do acesso em 2008, artilheiro da equipe em 2009 (com oito gols) e vice no ano passado (com seis) – ficou atrás apenas de Almir. Praticamente em casa, anotou mais um no domingo.

– Eu conheço lá (o estádio), é um clima muito quente, abafado. Foi um jogo fora de casa, um jogo difícil.

Fomos em busca do resultado, fomos atrás dos três pontos, mas infelizmente não conseguimos. É futebol, acontece, temos que valorizar ao máximo esse ponto conquistado – encerrou.

.

Fonte: Globo Esporte