“O FLAMENGO É PARA SEMPRE”O início da trajetória de Samir no futebol europeu teve quase três meses de espera, empréstimo e período de adaptação. Paciente e determinado a aproveitar qualquer chance que aparecesse, o ex-jogador do Flamengo, comprado pelo Udinese e emprestado ao Hellas Verona, ganhou oportunidade após gastroenterite de um companheiro de clube e estreou na Itália com gol decisivo. Faltam palavras e sobra motivação para uma continuidade longe do Brasil.

Em entrevista por telefone ao GloboEsporte.com, o zagueiro não esconde a felicidade pelo destaque individual contra o Bologna e faz questão de agradecer aos companheiros de clube pela recepção.

Apresentado no dia 6 de janeiro, Samir explica que o longo período longe dos gramados foi importante para adaptação e recondicionamento físico, principalmente por não ter passado por uma pré-temporada.- Eu agradeço
primeiramente a Deus por tudo.

Tive muita paciência para esse grande momento
chegar, finalmente chegou e eu pude ser muito feliz. Uma sensação
indescritível, porque estrear no Campeonato Italiano como titular e marcar um
gol, esse feito vai ser guardado para o resto da vida.

 Tive uma adaptação muito boa, tanto aqui quanto em Udine, porque lá
também tem brasileiro, aqui também tem muito brasileiro, então, a adaptação foi
muito fácil. Agradeço aos meus companheiros por isso, me acolheram muito bem.

No início, eu não estava jogando porque estava me adaptando ao futebol italiano,
à parte tática. Também não fiz pré-temporada, isso para um jogador conta bastante.

Esperei meu momento, o treinador soube me colocar no período que se sentiu à
vontade, e graças a Deus pude ser feliz. Esperei, trabalhei, e a oportunidade apareceu.

Quero manter esse ritmo até o final do campeonato.Há pouco tempo na Itália, Samir aproveita períodos livres para aprimorar o idioma.

O camisa 4 do Verona admite ainda não ser fluente, mas já se arriscou na entrevista pós-jogo contra o Bologna e tenta evoluir cada vez mais o italiano. Só tenho a evoluir nessa escola de zagueiros da Itália, que é a melhor do mundo.

“- Depois do
jogo, como em qualquer lugar, tem que dar entrevista. Nosso assessor falou que
eu tinha que falar pelo menos um pouco de italiano, e eu falo.

Eu falo
50%. Entendo quase tudo que eles falam.

Se algumas palavras são difíceis, peço
para repetir, explicar o significado, e consigo entender o que estão falando.
Tudo tranquilo, não é muito difícil o italiano, já converso, peço tudo, compro
tudo.

É tranquilo, mas ainda tenho que melhorar muito. Erro bastante, porque
não é fácil, mas já evoluí muito.

O Udinese assegurou a contratação de Samir por aproximadamente R$ 16 milhões. Com cinco anos de contrato com a equipe, o zagueiro foi emprestado ao Verona pelo limite de vagas para estrangeiros.

Ao fim da temporada 2015/16, o destino do jogador é o clube de Udine, o qual considera perfeito para uma evolução tática e física.- (O Udinese) É
enorme, tem uma estrutura que é muito difícil ver no Brasil, fenomenal.

Tem
tudo para eu poder melhorar fisicamente, taticamente. Eles me deram um grande
suporte, só tenho a evoluir nessa escola de zagueiros da Itália, que é a melhor
do mundo.

Eu sinto um pouco (a parte tática), porque a gente tem que fazer
algumas coisas diferentes do Brasil. Aqui cobram muito mais o posicionamento do
que o talento.

Então, eu senti no início, mas agora já me adaptei nos treinos,
nos jogos, estou bem mais tranquilo em relação ao momento que cheguei, o que é
natural, porque nunca tinha jogado na Europa.01″O FLAMENGO É PARA SEMPRE”No Flamengo desde as categorias de base, Samir é claro ao demonstrar a identificação e preocupação com o time.

O zagueiro de 21 anos afirmou que acompanha os jogos e ainda pontuou situações do dia a dia do ex-clube nas últimas semanas.- Acompanho
sempre o Flamengo.

O Flamengo está no meu coração, de vez em quando coloco nas
minhas redes sociais que estou acompanhando os jogos. Vi o que aconteceu com o
Jorge essa semana, ficou desacordado com uma chegada do Pará no treino.

O
empate de 2 a 2 com o Botafogo, com belo gol do Alan Patrick. Estou sempre aqui
mandando força.

  Todos os treinadores deixaram ele como titular, então o torcedor tem que confiar mais no Wallace, porque ele tem qualidade ou não estaria jogando.”Wallace também foi assunto na entrevista.

Samir, que jogou ao lado do atual capitão do Flamengo, saiu em defesa do ex-companheiro, lembrou que a desconfiança de momento é a mesma de quando o camisa 14 chegou ao clube e pediu crédito do torcedor ao jogador. Sobrou tempo para falar de Juan, a quem o zagueiro se refere como ídolo.

– O que está
acontecendo com o Wallace é o mesmo que aconteceu quando ele chegou ao
Flamengo. As pessoas não acreditavam nele, mas ele mostrou o valor nesses três
anos, sempre como titular.

Todos os treinadores deixaram ele como titular,
então o torcedor tem que confiar mais no Wallace, porque ele tem qualidade, ou
não estaria jogando. E esse ano tem o Juan, que é um grande ídolo meu.

Se eu
estivesse até hoje no Flamengo e com a oportunidade de jogar ao lado dele,
aprenderia muito. Mas quem está no time hoje está dando o seu melhor.

Antes de encerrar a conversa, Samir pediu para mandar uma mensagem aos torcedores do rubro-negro carioca, demonstrando carinho e gratidão pelo espaço dado no início da carreira como profissional.- Eu tenho um
recado para a torcida do Flamengo.

Essa projeção toda na minha carreira eu devo e agradeço ao Flamengo, por ter aberto as portas e me lançado ao futebol. Aonde
eu for vou levar o Flamengo comigo.

O Flamengo é para sempre.
.

Fonte: Globo Esporte