Vários clubes italianos têm gastos com técnicos que já foram
demitidos que chegam na casa de € 21,2 milhões (R$ 88 milhões), informa o
jornal “Gazzetta dello Sport”. Os comandantes que perderam o emprego
ainda com contrato em vigor não deixaram de receber seus vencimentos acordados
quando assinaram os compromissos, e um desses casos é do holandês Seedorf, que
no início de 2014 deixou o Botafogo, anunciou a aposentadoria como jogador e
assinou por dois anos e meio para comandar o Milan. Porém, em junho do mesmo
ano acabou demitido.

Além de Seedorf, o Milan também continua pagando os
vencimentos de Seedorf. O ex-atacante, por sinal, foi anunciado como substituto
do holandês em junho de 2014, e acertou contrato até junho deste ano.

Porém,
também acabou demitido e deixou o clube após cumprir um ano dos dois previstos
no acordo com o Rubro-Negro.Rival do Milan, o Internazionale também paga o preço pela
demissão de um treinador antes do término do contrato.

Neste caso, quem recebe
mesmo após ter saído do clube é Walter Mazzarri. Ele foi anunciado em 2013, após um bom trabalho no Napoli, mas acabou demitido em novembro de
2014.

Seu contrato tinha validade por duas temporadas.Ainda de acordo com a publicação, Walter Mazzarri teve a
oportunidade de se mudar para a Inglaterra, onde estuda inglês.

Enquanto isso,
Seedorf se divide entre seus negócios no Brasil e na Itália, e aguarda uma nova
oportunidade para voltar ao futebol. Walter Zenga e Davide Ballardini são
outros entre dez técnicos citados pelo jornal que recebem salários de clubes
que já não trabalham mais.

.

Fonte: Globo Esporte