Com duas vitórias seguidas – as únicas até aqui, aliás –, o Cruzeiro-RS fortaleceu sua candidatura para fugir da zona de rebaixamento. Nas últimas cinco rodadas, somou sete de seus nove pontos. Podem não ser números brilhantes, mas são superiores aos de seus adversários diretos.

LEIA MAIS> Confira a tabela do Campeonato Gaúcho> Simule resultados das últimas rodadas> Cruzeiro-RS vence a segunda seguidaO lanterna Aimoré, com seis pontos, vem de um empate e quatro derrotas consecutivas. Ainda assim, tem chances de se manter na elite.

O Lajeadense, 12º na tabela, tem dois empates, uma vitória e duas derrotas. Nas últimas cinco rodadas, conquistou cinco pontos e supera o Cruzeiro-RS pelo saldo de gols.

O Glória, o primeiro fora do Z3, tem o mesmo retrospecto do Alviazul, mas soma 11 pontos. Com dois pontos de distância da zona de rebaixamento, o time de Vacaria poderia estar mais tranquilo se não tivesse dois jogos complicados pela frente: São José-RS, no Passo D’Areia, e Inter, no Altos da Glória.

– Conseguimos o que era importante, vencer. Desde que assumimos, temos um aproveitamento de 50%.

A gente sabe que a situação é perigosa e temos que vencer a próxima partida. É assim que estamos trabalhando: sempre a próxima – comenta ao GloboEsporte.

com o técnico Ben Hur Pereira, que assumiu o Estrelado na sexta rodada e tem duas vitórias, dois empates e duas derrotas. Pereira diz que não faz contas para projetar uma pontuação que livraria o Cruzeiro-RS da degola.

Segundo o treinador, qualquer cálculo seria inútil se o time não vencesse. – Meu número, hoje, é vencer na quarta-feira.

Aí, na quinta, vou ver. Jogamos em casa, mas o Ypiranga-RS é um adversário muito difícil.

É um jogo de risco. Precisamos ganhar para irmos para a última rodada sem essa obrigação.

Luiz Carlos que é ThiagoAutor do gol da vitória diante do São Paulo-RS, Thiago Alagoano já marcou três vezes no Gauchão. O atacante projeta chegar aos cinco, marcando mais um por partida para “ajudar a equipe”.

– Todo o time que está lá embaixo faz contas. Faltam dois jogos e queremos ganhar ambos  para não dependermos de ninguém.

Concluímos que precisávamos vencer os últimos quatro. Dois já se passaram.

Temos mais duas batalhas – projeta.Nascido em Delmiro Gouveia, no interior de Alagoas, a cerca de 300 quilômetros da capital Maceió, Thiago foi registrado como Luiz Carlos Marques Lima depois de uma discordância na família.

No cartório, a vitória foi do pai. No cotidiano, foi da mãe: – Meu pai queria Luiz Carlos, mas minha mãe havia feito uma promessa de me batizar de Thiago.

Meu pai acabou vencendo no registro. Mas, no Nordeste, promessa é uma coisa muito séria, então minha mãe sempre me chamou de Thiago, nunca de Luiz Carlos.

Aí, até meu pai acabou me chamando de Thiago. Se alguém diz Luiz, até eu acho estranho – diverte-se o jogador.

Confira todas as notícias do esporte gaúcho em www.globoesporte.

com/rs
.

Fonte: Globo Esporte