entenda o casoA polêmica em
torno da escalação de Victor Ramos contra o Flamengo de Guanambi continua. Após
manifestações do vice-presidente do Vitória, Manoel Matos, do presidente da
Federação Bahiana de Futebol (FBF), Ednaldo Rodrigues, e da entrada do clube
interior na justiça, foi a vez do presidente do Leão da Barra, Raimundo Viana,
vir a público. Na tarde desta segunda-feira, o cartola concedeu entrevista
coletiva no Barradão para falar sobre o assunto.

Assim como
Matos, Viana assegurou que a escalação do zagueiro na partida foi regular. Segundo
ele, a Confederação Brasileira de Futebol (CBF) considera a negociação que levou
à contratação do jogador como nacional.

– Quem está
dizendo isso não sou eu, é a FDF e CBF. Se tem alguém que nós precisaríamos
perguntar, eu quero saber quem seria.

O Vitória fez mais. Ao assinar o contrato
de empréstimo do Victor, levou à FBF no dia 14 de março.

Evidentemente que esse
contrato tem que ser submetido também à CBF. E a CBF considerou no dia 18 de
março, último dia da inscrição, uma transferência nacional e
consequentemente lançou o nome do jogador no BID dando situação de jogo –
afirmou o presidente.

Viana
declarou que Victor Ramos não retornou ao México depois de ter o empréstimo ao
Palmeiras encerrado. Segundo ele, a CBF analisou o caso na época e considerou a
negociação nacional.

 – Vocês da
imprensa falam o linguajar da torcida, levam os fatos. Eu estou dizendo que o
Vitória fez um contrato com o Monterrey.

Levamos esse contrato à FBF, que
submeteu à CBF. E a CBF, depois de analisar todos os aspectos, inscreveu o
jogador no BID dando condição de jogo.

E nós pudemos lançá-lo. Na CBF, para que
isso ocorresse era preciso que a transferência fosse internacional ou que fosse
nacional.

E por que foi interna? O Victor não retornou para o México. Toda a situação
dele estava no Brasil.

Quem tinha que fazer a transferência? A CBF. Logo, tudo
resolvido – explicou.

 Raimundo
Viana ainda falou sobre a repercussão do caso e questionou o interesse de
outros clubes, que devem entrar como terceiro interessado na ação ajuizada pelo
Flamengo de Guanambi. Segundo o diretor do clube do interior, Thiago Dantas,
Bahia e Juazeirense devem entrar no processo.

Esse resultado interessaria a quem? Talvez ao Flamengo, porque não teria perdido o jogo, o Vitória estaria fora. Aí por que outros times estão interessados? Parece que o Feirense também foi interessado.

Daqui a pouco, vão dizer que o Vitória tem que sair da Série A. – Tudo que
acontece com o Vitória tem uma dimensão.

Me dei conta que o Vitória é grande, é
o único da Bahia na Série A, que fez a maior negociação de jogador nos últimos
anos. Isso tem repercussão nacional e internacional.

Não gostaríamos que fosse
assim. O que eu posso tranquilizar a torcida do Vitória é de que se o Vitória
faz tudo da maneira mais transparente possível e a gente lança e agora fica com
medo? A nossa preocupação hoje é com o jogo de sábado a oito [contra o Juazeirense].

Vamos para lá para ganhar o jogo, para carimbar a nossa passagem para a final.
Essa é nossa preocupação.

Nada nos abala. Não sou eu que vou desestimular quem
quer que seja a lutar pelo que considere acertado.

Esse resultado interessaria
a quem? Talvez ao Flamengo, porque não teria perdido o jogo, o Vitória estaria
fora. Aí por que outros times estão interessados? Parece que o Feirense também
foi interessado.

Daqui a pouco, vão dizer que o Vitória tem que sair da Série A
– disse.A entrevista
coletiva concedida pelo presidente do Bahia, Marcelo Sant’Ana, também foi
tópico desta tarde.

No domingo, após o triunfo por 2 a 1 sobre o Bahia de
Feira, o dirigente tricolor afirmou que a transferência de Victor Ramos é
internacional e que a escalação do atleta infringiu o regulamento do Campeonato
Baiano. Nesta tarde, Raimundo Viana disse ter ficado triste com a atitude de
Sant’Ana.

– Eu quero
dizer inicialmente que eu sempre declarei que nós no Vitória, eu e Manoel
Matos, sempre tivemos com o presidente do Bahia a mais estreita relação e
tomamos um susto quando soubemos que ele convocou a imprensa para dar uma
declaração alegando que nosso jogador está irregular. Ficamos tristes.

Se fosse
o contrário, a direção do Vitória teria levado ao Bahia. Das três uma, ou o
presidente do Bahia foi mal orientado sobre os fatos ou está com muito medo de
enfrentar o Vitória ou está com dor de cotovelo pela chegada de Daboberto, Victor
Ramos e Kieza.

Maltratou  quando deveria ser uma coisa normal contratar
jogadores, rescindir contratos. O Vitória não fez nenhuma referência em
hostilidade.

Qualquer referência do Vitória vangloriando contratando o Tiago
Real. Nenhum de vocês viu o presidente do Vitória louvasse a isso.

Ninguém do
Vitória ouviu dizer que nós contratamos Kieza para hostilizar o adversário. O comportamento
é de clareza e transparência.

 uando a gente é maltratado, a gente sente.
Eu gostaria de estar aqui exaltando o meu time pelo belo futebol que apresentou
para desfazer a imagem do 1 a 0 que a gente tomou em Guanambi – finalizou.

 01entenda o casoA polêmica foi levantada por causa da presença de Victor Ramos no
jogo do Vitória contra o Flamengo de Guanambi, pelas quartas de final
do Baiano. A escalação estaria em contradição com o parágrafo terceiro
do artigo 20 do Campeonato Baiano.

O texto diz que, em caso de
transferência internacional, o atleta tem que ter o nome publicado no
Boletim Informativo Diário (BID) da Confederação Brasileira de Futebol
(CBF) até o dia 16 de março. Victor Ramos, que pertence ao Monterrey, do
México, teve o nome publicado no dia 18 de março.

O
Vitória, por sua vez, nega qualquer irregularidade. De acordo com o
clube, houve uma solicitação para a Fifa e para a CBF para que a
transferência fosse considerada nacional.

O argumento do Leão é de que,
após o fim do empréstimo de Victor Ramos ao Palmeiras, em dezembro do
ano passado, o ITC não saiu do Brasil, assim seria uma negociação
nacional. Dirigentes do Rubro-Negro garantem ter uma autorização
especial para tal ato.

O zagueiro, inclusive, demorou de ser apresentado e
regularizado pelo Vitória por questões burocráticas. O Monterrey
precisou pedir uma autorização especial da Fifa para reativar o contrato
do atleta e, assim repassá-lo ao Vitória.

No sistema de registros da
CBF, inclusive, o vínculo do jogador com o Palmeiras se encerrou no dia
31 de dezembro de 2015. O clube mexicano, então, teria reativado o
contrato com o zagueiro no dia 16 de março e, dois dias depois, o
empréstimo ao Vitória foi publicado no BID.

No domingo, o presidente do Bahia, Marcelo Sant’Ana, se posicionou publicamente sobre
o assunto. De acordo com ele, o Tricolor também entende que o jogador
foi escalado de forma irregular.

O dirigente disse que o clube vai
aguardar o desenrolar dos fatos nos próximos dias. Segundo ele, a
Procuradoria do Tribunal de Justiça Desportiva da Bahia (TJD) deve tomar
uma atitude.

Na manhã desta segunda-feira, o diretor
do Flamengo de Guanambi, Thiago Dantas, revelou que o clube procurou um
escritório especializado em direito desportivo para analisar o caso. De
acordo com ele, a resposta inicial foi de que havia irregularidade e,
diante disso, o clube entrou com uma queixa no Tribunal de Justiça Desportiva da Bahia (TJD).

Saiba mais:Flamengo de Guanambi aciona Vitória no TJD-BA por escalação de VR3Caso VR3: “Não existe nenhuma irregularidade”, diz presidente da FBFCaso VR3: presidente do Bahia vê irregularidade e cobra ação do TJD/BAEscalação de VR3 pode ser irregular; Vitória se explica, e FBF se isentaFique por dentro das notícias do esporte baianoClique aqui e assista a vídeos do Vitória
.

Fonte: Globo Esporte