A demissão do técnico Sérgio Vieira, anunciada nesta segunda-feira pela diretoria afeana, tem basicamente uma explicação: provocar um choque no elenco da Ferroviária, que desandou na segunda metade do Campeonato Paulista, na tentativa de evitar o rebaixamento para a Série A2.O diretor de futebol José Manoel Evaristo convocou uma entrevista coletiva para explicar a saída do treinador português, bastante elogiado no início da competição, principalmente por conseguir fazer bons jogos contra os chamados “grandes” – empatou com o Corinthians e venceu o Palmeiras na Arena Palestra.Segundo José Manoel Evaristo, a cúpula afeana entendeu que o elenco precisava de um choque, e a manutenção de Sérgio Vieira para a última rodada, mesmo sendo um bom treinador, não era a melhor alternativa.

– Apesar do bom trabalho, entendemos que ele não tem condições de dirigir o time nesta partida. Precisávamos de um fato novo para os jogadores acordarem.

Sentimos que o esforço do Sérgio não estava acontecendo – declarou o diretor.> Botafogo surpreende Ferroviária na Arena da Fonte> Confira a página da Ferroviária> Veja como está a briga contra o rebaixamentoQuestionado se existia um racha no elenco, com jogadores insatisfeitos com o treinador, José Manoel Evaristo se esquivou.

Não disse que “sim”, nem que “não”, mas admitiu que alguns ficaram felizes porque terão oportunidade de mostrar serviço e outros nem tanto porque tinham uma identidade com o antigo comandante.- Tem jogadores felizes e jogadores tristes.

Alguns ficam felizes porque veem oportunidade de jogar, outros ficam triste. Futebol é assim.

Todos estão abatidos porque não era intenção, mas os jogadores têm que entender que eles têm culpa na demissão do Sérgio. Criamos isso, estamos nessa situação e temos que sair dela – disse o diretor de futebol, assumindo responsabilidade na má fase da equipe, mas colocando a demissão também na conta dos atletas.

Por fim, José Manoel fez elogios ao ex-treinador da Locomotiva e deixou as portas abertas para que ele volte em breve.- O futebol tem meandros e situações que, por mais que a gente tente mudar, independe da gente.

Não conseguimos mudar jogadores, não conseguimos um campeonato mais longo. A vida da Ferroviária está resumida a um jogo.

Isso não quer dizer que o Sérgio não possa ser treinador no ano que vem. No nosso atendimento, contrário ao que gostaríamos de fazer, entendemos que era necessário a mudança de comando.

A Ferroviária enfrenta o Linense na última e decisiva rodada para escapar do rebaixamento. Para se livrar, basta a Locomotiva vencer.

Em caso de empate ou derrota, será preciso torcer por tropeços de rivais como Água Santa, Botafogo e Mogi Mirim. Os jogos serão no domingo, às 16h.

.

Fonte: Globo Esporte