O Bahia vive uma árdua maratona neste início de temporada.
Além do Campeonato Baiano, o Tricolor disputa paralelamente a Copa do Nordeste
e a Copa do Brasil. Ao todo, foram 18 partidas oficiais e um amistoso em 69
dias de temporada, uma média de aproximadamente uma partida a cada três dias.

Neste
sábado, será a vez de enfrentar o Fluminense de Feira, no estádio de Pituaçu, pelas
semifinais do estadual. Na sequência, um jogo contra o Santa Cruz, pelas
semifinais do regional.

E assim, passo a passo, o Bahia encara o desgaste provocado
por atuar duas vezes a cada semana.

Ciente da situação enfrentada pelo elenco, Doriva prega
atenção individual em cada partida.

Para o técnico, os jogadores devem focar
sempre no próximo adversário, sem pular etapas. Assim deve ser feito neste sábado.

Pensar apenas no jogo contra o Fluminense de Feira, e esquecer momentaneamente
a partida diante do Santa Cruz.

– Você tem que pensar passo a passo.

Não adiantar estar
pensando no Fluminense já pensando no Santa Cruz. Hoje, nós estamos pensando
única e exclusivamente no Fluminense.

Sábado a noite, depois do jogo, a gente
muda a chavinha e começa a pensar no Santa Cruz. E tem que ser assim, não tem jeito.

A gente está disputando três competições que se alternam e a gente tem que
estar focado e, com certeza agora, por se tratar de semifinais você tem que
diminuir bastante a margem de erro. Se você quer chegar na final tem que
diminuir bastante a margem de erro, melhorar a produtividade e a performance
para chegar no seu objetivo – declarou o técnico.

Em favor do Bahia, está o fato de não precisar viajar para o
jogo contra o Fluminense de Feira. O estádio Joia da Princesa, em Feira de
Santana, está em obras, e o Eliel Martins, em Riachão do Jacuípe, local onde o
Touro do Sertão mandou partidas na primeira fase, tem capacidade para apenas
cinco mil pessoas.

Para ter maior arrecadação, a diretoria feirense decidiu
levar o jogo deste sábado para Pituaçu.

Doriva comemorou a escolha do estádio.

Além de facilitar o
acesso da torcida tricolor, o gramado é uma característica que agrada o
técnico.

– Acho que você jogar num gramado bom é pré-requisito.

Tinha
que ter essa mentalidade em todos os lugares. Todos os campos tinham que ter um
gramado assim.

Aliás, a CBF está tentando fazer isso. Na reunião que eu fui de
treinadores foi uma solicitação dos treinadores, padronizar tamanho de campo e qualidade
do gramado.

É o caminho para o espetáculo ficar mais bonito.

Com a melhor campanha geral no Campeonato Baiano, o Bahia
atua por dois empates para garantir a classificação.

A segunda partida entre os
dois times está marcada para o dia 20 deste mês, na Arena Fonte Nova.Saiba mais:Fique por dentro das notícias do esporte baianoClique aqui e assista a vídeos do Bahia
.

Fonte: Globo Esporte