Na véspera do confronto diante do Uruguai, Dunga deixou claro
que pretende investir no novo posicionamento de Neymar. Nesta sexta-feira, o
principal craque da seleção brasileira atuará novamente como homem mais
adiantado da equipe, um “falso 9”, aquele que se posiciona como se fosse um
centroavante, mas confunde toda a marcação rival com sua movimentação, abrindo
espaços para companheiros do setor ofensivo.A inteligência e o faro de gol do jogador são fatores que
contribuem para que o treinador insista nessa versão da Seleção, sem um
centroavante de ofício, e com um ataque veloz.

Foi assim contra o Peru, na
última partida disputada, que terminou com vitória brasileira por 3 a 0.MAIS: Com saudade de Suárez, Neymar acha Seleção e Barça incomparáveisNeymar não fez gol nem teve atuação brilhante, mas colaborou
e permitiu que parceiros como Willian.

Douglas Costa e Renato Augusto se
destacassem. Para Dunga, é questão de (pouco) tempo para que seu capitão se
sinta à vontade na função.

– O treinador tem que tentar encaixar os melhores jogadores.
Falamos de 70, mas o Zagallo (técnico da seleção tricampeã mundial), com dois
ou três meses para treinar, fez modificações.

O Tostão não era atacante, e
virou. O Rivellino jogou de ponta, fechando.

Um grande campeão se adapta.
Talvez o Neymar não tenha o mesmo rendimento nos três primeiros jogos, até
porque é diferente de como ele joga sempre no Barcelona, mas, por sua qualidade
técnica, aos poucos ele vai se adaptar e fazer a diferença com seus companheiros
– afirmou Dunga.

Neymar, na verdade, foi escalado para executar essa função
pela primeira vez nos últimos jogos de Mano Menezes no comando da seleção
brasileira, em 2012, quando a crise do centroavante já assolava o futebol
brasileiro.MAIS: Dunga cita caso Marcelo e promete: “O doutor vai mostrar as mensagens”Com Felipão, o “camisa 9” de ofício sempre teve vez.

Fred e
Jô foram os principais artilheiros de sua era. Dunga assumiu o comando e,
inicialmente, aboliu o centroavante, tendo Neymar como companheiro de outro
homem de movimentação.

Diego Tardelli e Roberto Firmino foram os mais
habituais. Depois, o técnico testou Ricardo Oliveira.

O que mais encantou Dunga, por enquanto, foi justamente o
sistema com Willian pela direita, Douglas Costa pela esquerda, e Neymar livre
pelo meio, para se movimentar. Um 4-1-4-1 com requintes de 4-3-3.

Com Neymar de “9”, o Brasil recebe o Uruguai na
Arena Pernambuco às 21h45 desta sexta-feira, com transmissão da TV Globo, do
SporTV e do GloboEsporte.com, que também vai acompanhar tudo em Tempo Real.

.

Fonte: Globo Esporte