Com exceção de Wellington Paulista e Alexandre Gallo, a delegação da Ponte Preta deixou o Moisés Lucarelli no último domingo sem comentar o protesto violento da torcida um dia antes. Um grupo invadiu o estádio durante o treino de véspera da partida contra o RB Brasil com pedaços de pau e rojões, quebrou vidros e ameaçou a segurança de elenco, funcionários e integrantes da diretoria. Assista ao vídeo acima com algumas imagens do incidente.

Orientados a não falar do assunto antes e após a partida, os jogadores fugiram de polêmica e deixaram o assunto para a diretoria. Os únicos a comentarem o fato foram o capitão e o técnico.

Enquanto Wellington Paulista descartou qualquer relação entre os protestos e a vitória por 3 a 0 sobre o RB Brasil (veja os gols abaixo), Alexandre Gallo considerou a manifestação negativa e fora de hora. A gente não jogou diferente por causa do torcedor.

Jogou porque o campo deixou, não choveu”– Lamentável, lamentável. Quem tem que falar é a direção.

Nós somos profissionais e vamos seguir, como a gente vem fazendo – falou brevemente o técnico, em entrevista coletiva após a partida no Majestoso.– Nós mesmos estávamos pressionados, pela comissão, por vocês da imprensa, pela diretoria, por nossos familiares.

O torcedor ia cobrar de um jeito mais forte, isso é futebol, mas a gente não jogou diferente por causa do torcedor. Jogou porque o campo deixou, não choveu e a gente conseguiu a vitória – disse Wellington Paulista, em referência à derrota para o Mogi Mirim, na última quarta-feira, também em Campinas.

Sem comentar a atitude da torcida, outros atletas destacaram o resultado positivo, o quarto na temporada (todos com a camisa amarela, criada este ano para homenagear Campinas). O goleiro João Carlos e o zagueiro Douglas Grolli admitiram o clima de pressão no elenco por causa de resultados negativos em jogos anteriores e esperam que a equipe embale na reta decisiva do Campeonato Paulista.

– O time vinha muito pressionado, a situação estava incomodando bastante. Claro que a gente não gosta (de violência da torcida), mas vou deixar a diretoria resolver – falou o arqueiro, que defendeu um pênalti cobrado por Edmilson, atacante do RB Brasil, quando o placar estava 2 a 0.

– Foram semanas difíceis, de pressão. Time atuou bem hoje, de forma consistente.

Legal conseguir uma vitória assim para a Ponte – completou o zagueiro, que abriu a vitória com um gol de coxa, o seu primeiro com a camisa da Macaca.
.

Fonte: Globo Esporte